O ex-deputado do PSOL Jean Wyllys concedeu uma entrevista em Berlim, na Alemanha, nesta segunda-feira (18). Conforme informações divulgadas pelo UOL, o ex-parlamentar disse que não tem moradia, vive da ajuda de amigos e citou o ódio da família Bolsonaro contra ele.

No início deste ano, Wyllys decidiu deixar o Brasil e renunciou ao seu terceiro mandato como deputado federal. Ele alegou que estava sendo ameaçado de morte e sua família também estaria em risco.

Ao participar do lançamento do filme brasileiro "Marighella" em um festival de cinema, Wyllys concedeu uma entrevista coletiva e desabafou sobre diversos pontos de sua vida.

De acordo com ele, a sua vida na Alemanha ainda está em um recomeço. Ele disse não ter moradia e vive com a ajuda de amigos. Um dos seus objetivos é inscrever em um programa de doutorado. O ex-deputado também contou que recebeu asilo político da França, entretanto, preferiu não aceitar, pelo menos por enquanto.

Críticas a Bolsonaro

Jean Wyllys fez várias críticas a Jair Bolsonaro. Ele demonstrou chateação quando o presidente postou uma mensagem de comemoração nas redes sociais ao saber da saída dele do Brasil. Segundo Wyllys, esse é o nível do presidente que o Brasil tem. Na entrevista, o ex-parlamentar chamou Bolsonaro de "incompetente" e "imbecil" por não saber nada sobre economia, saúde, moradia e educação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Além disso, disse que Bolsonaro é um "moleque" e "debochado" por tratar a democracia dessa forma.

O ex-parlamentar disse que chorou intensamente ao se ver sozinho na Espanha, primeiro país que foi depois que deixou o Brasil. Ele sentia as incertezas de ter que começar uma nova vida ainda mais num momento sem grana e dependendo de ajuda.

Decisão

De acordo com ex-deputado, a decisão de deixar o Brasil foi algo difícil, mas necessário.

Ele enalteceu apoios recebidos por pessoas que ele nem mesmo esperava, como por exemplo, o senador Renan Calheiros.

Ele diz acreditar que metade do país se comoveu com sua partida, já que teria ganho as eleições com legitimidade. No entanto, conforme seus dizeres, o processo eleitoral foi para ele um "inferno". Por vários lugares que ia, as vezes tinha que voltar porque recebia informações de que estavam preparando um atentado contra ele.

A escolta dele também não estaria preparada para algum ataque desse tipo.

Wyllys disse que pode um dia voltar ao Brasil, mas só fará isso após "forças assombrosas saírem do poder".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo