O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello começou as atividades na Corte, após o recesso, e liberou para que o Ministério Público do Rio avançasse nas investigações que envolvem o senador Flávio Bolsonaro. Ele é acusado de supostamente estar envolvido em movimentações financeiras irregulares de seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

No começo deste ano, Luiz Fux optou por suspender as investigações após aceitar um pedido de Flávio.

O senador havia informado que estava protegido pelo foro privilegiado e que não poderia ser alvo de investigações do MP do Rio. Marco Aurélio suspendeu essa decisão.

Para explicar sua decisão, Marco Aurélio publicou que a Lei Maior, ao prever cumprir ao Supremo julgar Deputados e Senadores, tem que estar relacionada com a conduta criminosa relacionada ao exercício do mandato. Segundo Mello, na época, Flávio Bolsonaro era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e só no último dia 18 de dezembro se tornou senador.

De acordo com Mello, a situação jurídica não se enquadra nos termos da Constituição e não se torna competência do Supremo. Vale ressaltar que Mello é o relator do processo que envolve Flávio.

Caso que envolve o senador

Fabrício Queiroz, ex-motorista e assessor de Flávio Bolsonaro, teria feito movimentações atípicas em suas contas no valor de R$ 1,2 milhão. Além disso, existem supostas irregulares em operações bancárias de servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Após Fux ter suspenso o processo de Flávio, o Jornal Nacional, da Rede Globo, mostrou que, em apenas um mês, foram realizados vários depósitos na conta de Flávio. Há a suspeita que os funcionários dos gabinetes, que eram de responsabilidade de Queiroz, devolviam parte dos seus salários.

De acordo com as informações, foram 48 depósitos feitos na conta do senador, e todos eles eram de R$ 2 mil.

Flávio Bolsonaro explicou em uma entrevista à Record TV que esse dinheiro depositado em sua conta era em decorrência da venda de imóveis.

Recesso do STF acaba

O Supremo retomou os trabalhos nesta sexta-feira (1°), após 40 dias de recesso. Na solenidade de reabertura dos trabalhos foram convidadas várias autoridades, entre elas, o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, e o vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

A sessão de hoje não terá julgamento de nenhuma pauta e está destinada apenas à cerimônia de reabertura dos trabalhos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo