O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, apresentou recentemente um audacioso projeto que visa combater o crime no Brasil. A proposta de lei está ancorada em três áreas fundamentais da Segurança Pública. Trata-se do combate à corrupção, aos crimes violentos e ao crime organizado.

O projeto de lei para apreciação no Congresso Nacional tende a endurecer a fiscalização da aplicação de penas a criminosos. Porém, há um item específico da proposta que acabou recebendo um forte apoio por parte de juízes federais de todo o país.

Proposta de aplicação do plea bargain no projeto anticrime

Um dos itens que obteve a imensa maioria do apoio de juízes federais, conforme a proposta anticrime apresentada pelo ministro Sergio Moro, é o que se refere ao chamado plea bargain. O plea bargain é a possibilidade de um acordo penal que já seria utilizado em larga escala nos Estados Unidos da América. Por meio desse acordo entre Justiça e criminosos, poderia se apregoar uma diminuição das penas ou mesmo que o criminoso contribua para com a Justiça, principalmente, quando ele confessar o crime e que não esteja apto a praticá-lo novamente.

De acordo com a pesquisa "Quem somos. A magistratura que queremos", realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), aproximadamente 90% dos juízes federais pesquisados estariam de acordo com a implementação do plea bargain. Vale ressaltar que a Associação dos Magistrados Brasileiros conta com cerca de quinze mil juízes, de todos os cantos do país.

Entretanto, a toga faz uma ressalva em relação ao pacote anticrime proposto pelo ex-juiz da Operação Lava Jato, Sergio Moro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Governo

A entidade endossaria o plea bargain, "desde que haja participação dos juízes nos acordos". A pesquisa da AMB contou com cerca de 4 mil respostas ao questionário encaminhado aos juízes federais, sejam eles: ativos ou inativos. Além disso, também foram indagados ministros de tribunais superiores e, ainda, membros integrantes da mais alta Instância do Poder Judiciário: o Supremo Tribunal Federal (STF).

Um outro fator observado, de acordo com a pesquisa divulgada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) é que mais de 80% dos magistrados seriam favoráveis à utilização de videoconferências em processos penais. No entanto, o plea bargain (transação penal) tem gerado críticas provenientes de advogados criminalistas. Já a AMB afirma que espera "contribuir para o aprimoramento do Poder Judiciário e o fortalecimento da magistratura brasileira".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo