Agentes da Polícia Federal cumpriram na manhã desta quinta-feira (21) oito mandados de busca e apreensão referentes ao caso de Marielle Franco e Anderson Gomes, no Rio de Janeiro. A ação se deve a possíveis obstruções colocadas em prática para dificultar as investigações do assassinato da vereadora e do seu motorista.

A parlamentar do PSOL foi vítima de uma emboscada no dia 14 de março de 2018 em que ela e Anderson foram mortos a tiros.

No carro estava também uma assessora de Marielle, que escapou com vida.

A princípio, as investigações apontavam para o envolvimento de um miliciano, Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicica, e do vereador Marcelo Sicilliano, do PHS-RJ, que teria sido o mandante da execução. Em outubro de 2018, contudo, Orlando Curicica teria relatado a Raquel Dodge, Procuradora-Geral da República, que estaria sendo coagido a confessar ser o autor do crime pela Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro.

Novas suspeitas

A suspeita, agora, é de que haveria um esquema de pagamento mensal a oficiais da Polícia especializada para que o caso não seja esclarecido. Após pedido realizado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), os mandados foram autorizados pelo Tribunal de Justiça do estado (TJRJ).

De acordo com O Globo, em carta enviada por Orlando Curicica respondendo perguntas feitas pelo jornal em outubro de 2018, a DH da Polícia Civil recebia um valor fixo de R$ 200 mil mensais quando o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil, comandava a Divisão de Homicídios.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Além da mesada estabelecida, outras propinas eram negociadas quando investigadores conseguiram imagens que pudessem identificar assassinos e servir como prova em julgamentos.

Em nota, o delegado Rivaldo Barbosa repudiou as acusações do miliciano, alegando que Orlando estaria colocando em risco a seriedade das investigações. Ainda de acordo com Barbosa, a testemunha teve amplas oportunidades para trabalhar com os investigadores conforme as determinações legais.

Orlando Curicica, que é ex-agente da Polícia Militar, está preso desde outubro de 2017 e responde por 12 homicídios. Em maio do ano passado, com a deflagração das investigações do caso de Marielle Franco, o miliciano foi transferido para o Presídio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Relações com Flávio Bolsonaro

Mantido sob sigilo, o caso voltou a ser amplamente abordado pela mídia em janeiro deste ano, quando agentes da Divisão de Homicídios iniciaram uma operação para cumprir mandados de prisão de diversos milicianos no estado do Rio e também em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Em 22 de janeiro, a Operação Intocáveis prendeu integrantes de uma organização conhecida como Escritório do Crime, que atuava na zona oeste do Rio, em comunidades como Rio das Pedras e Muzema.

Dos mandados, a polícia cumpriu oito, mas um dos líderes da organização, Adriano Magalhães da Nóbrega, permanece foragido. Ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Adriano foi homenageado por Flávio Bolsonaro em 2003, quando este era deputado estadual.

A mãe e a esposa do foragido eram empregadas, até novembro de 2018, no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Segundo o ex-deputado, eleito senador, a contratação das duas foi feita por Fabrício Queiroz, investigado por lavagem de dinheiro.

O PM reformado Fabrício Queiroz, que atuava como assessor e motorista de Flávio Bolsonaro, teria se escondido justamente na comunidade de Rio das Pedras durante as investigações que o apontavam como laranja em um esquema de repasse de salários dentro da Alerj.

Investigação ainda sob sigilo

Em nota, a Polícia Federal esclareceu que sua atuação diz respeito apenas à obstrução das investigações, que permanecem sob sigilo. Os mandados dizem respeito à busca de provas que inocentem Orlando Curicica e o vereador Marcelo Siciliano em relação ao crime contra a vereadora.

A apuração da autoria dos assassinatos permanece sob responsabilidade da Divisão de Homicídios da Polícia Civil e dos órgãos estaduais de segurança.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo