O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, deverá desembarcar em Washington, nos Estados Unidos, no próximo dia 19 de março. O mandatário brasileiro é alinhado ideologicamente com o presidente americano, o republicano Donald Trump. A recepção do presidente ocorrerá na residência do embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Sérgio Amaral.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, o mandatário brasileiro será recebido para uma espécie de "Santa Ceia da direita", já que deverão estar presentes no jantar jornalistas, filósofos e também financistas considerados conservadores.

O encontro poderá influenciar algumas das principais discussões que serão alvos das conversas com o presidente Jair Bolsonaro, durante a estadia em solo norte-americano.

Tratativas entre Jair Bolsonaro e Donald Trump

A lista de autoridades convidadas e de caráter exclusivo foi elaborada pelo chanceler brasileiro Ernesto Araújo e também pelo diplomata Nestor Forster. Vale salientar que o diplomata supracitado é cotado para substituir Sérgio Amaral à frente da embaixada do Brasil nos EUA.

Dentre os convidados que recepcionarão o presidente brasileiro, está o empresário e investidor norte-americano Gerald Brant. Ele é considerado um dos principais apoiadores de Bolsonaro nos Estados unidos.

Outra personalidade que estará presente no encontro é a colunista e integrante do conselho editorial de um dos principais jornais financeiros dos Estados Unidos, o The Wall Street Journal, Mary Anastasia O'Grady.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Curiosidades

A colunista é reconhecida como uma voz influente em círculos de caráter mais conservador e de posicionamento mais intervencionista na região.

Mary é grande apoiadora de mudança de regime na Venezuela, que é comandada pelo presidente Nicolás Maduro. Ela também apoia um endurecimento da relação entre Estados Unidos e Cuba. Essa mudança de postura reflete a reversão da aproximação entre os dois países, que havia sido arquitetada pelo ex-presidente norte-americano Barack Obama.

Entretanto, por ora, o posicionamento do governo brasileiro é que não haja uma possível intervenção militar na Venezuela. Porém, esse assunto será tema de conversas entre Donald Trump e Jair Bolsonaro. A ala militar do Palácio do Planalto é contra interferência que venham a extrapolar a ajuda humanitária, mesmo que o mandatário norte-americano venha a solicitar uma ação mais assertiva por parte do Brasil.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo