A Operação Lava Jato já condenou muitas pessoas, entre elas o empresário José Carlos Lavouras, que é apontado pelas investigações como chefe de um esquema multimilionário de corrupção. De acordo com o Ministério Publico Federal, o esquema tinha a participação de Luiz Fernando Pezão e de Sergio Cabral, ex-governadores do Rio de Janeiro.

Chefe da máfia dos ônibus do Rio

De acordo com informações do "Fantástico", da Rede Globo, o empresário conhecido como “chefe da máfia dos ônibus do Rio” fugiu do Brasil para escapar da Operação Lava Jato em junho de 2017, quando as investigações sobre o esquema que ele comandava estavam no auge.

Publicidade
Publicidade

A estimativa é que este esquema criado por José Carlos tenha movimentado cerca de R$ 350 milhões.

Lavouras chegou a ter sua prisão decretada pela Operação Lava Jato em julho de 2017, mas já havia fugido do país. O empresário foi localizado na cidade do Porto, em Portugal, vivendo uma vida de alto padrão financeiro, com motoristas particulares o tempo todo, sendo que um dos carros utilizados pelo empresário chega ao equivalente a R$ 300 mil.

Brasileiro ou português?

Apesar de ter nascido no Rio de Janeiro, o empresário possui cidadania portuguesa.

Publicidade

O governo brasileiro pediu a prisão de Lavouras, que chegou a ser detido em Portugal, porém foi solto 1 dia depois, e sua extradição foi negada pelo governo português com a argumentação de que ele é cidadão português.

A investigação contra José Carlos Lavouras continua, porém, agora segue na Corte Portuguesa. Enquanto isso, ainda de acordo com a reportagem do "Fantástico", o empresário leva uma vida tranquila e sossegada no país. A Operação Lava Jato iniciou-se em 2014, começou com uma investigação de um posto de gasolina, cujo dono foi detido acusado de mandar de forma ilegal dólares para o exterior.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

No decorrer das investigações, ele foi ligado ao doleiro Alberto Youssef, que também foi preso pelos mesmos motivos.

A Petrobras entrou no circuito quando o ex-diretor da empresa Paulo Roberto Costa foi preso acusado de destruir provas que continham informações sobre o esquema de pagamento de propina. Deste ponto a diante foi descoberto que Costa tinha uma relação com Youssef, que seria o responsável pela movimentação do dinheiro desviado.

Em razão destas pequenas descobertas, a investigação foi se prolongando e com isso foi descoberto um esquema gigante de corrupção, que bancava políticos e empresários, normalmente o levantamento de dinheiro era feito em cima de obras superfaturadas.

Neste domingo (17), a Operação Lava Jato completou 5 anos. Até o dia de hoje, cerca de R$ 40 bilhões já foram recuperados pela operação e muitas pessoas foram condenadas --cerca de 195 pessoas contando somente com Rio e Paraná.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo