A ex-primeira dama Marcela Temer enviou pedido ao juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, exigindo a devolução de bens apreendidos pela Polícia Federal na Operação Descontaminação, um desdobramento da Lava Jato. A mulher de Michel Temer afirmou que a PF "extrapolou os limites" ao pegar seus bens de "uso exclusivo". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e foram divulgadas nesta quinta-feira (28).

Conforme desdobramento da operação, a PF apreendeu objetos de uso pessoal de Michel Temer e, consequentemente, da ex-primeira dama. A defesa de Marcela pediu que fossem devolvidos um talão de cheques, seu celular, iPad e um contrato de locação. Os advogados que representam Marcela são: Átila Machado, Luiz Castro e Leonardo Peret.

Na última sexta-feira (21), o ex-presidente da República Michel Temer foi surpreendido pela ação da Polícia Federal, após decreto de prisão expedido pelo juiz Marcelo Bretas.

Temer e aliados foram presos suspeitos dos crimes de Corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Na decisão, o juiz federal sinalizou que Temer era o "líder de uma organização criminosa" que atua há 40 anos.

A polícia, em mandado de busca e apreensão, pegou na casa de Temer pendrives, paéeis manuscritos, revólveres, celulares, fitas cassetes, agendas e até mesmo um cartão de aniversário para o filho de Temer, assinado por Vanderlei de Natale, outro investigado pela Lava Jato.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

A prisão de Temer foi curta, com o ex-presidente ficando apenas 4 dias na cadeia. Na última segunda-feira (25), o desembargador Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF-2) mandou soltar o emedebista e os outros acusados.

A operação da PF partiu da delação de premiada de José Antunes Sobrinho e aponta indícios de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e peculato. As investigações do Ministério Público Federal (MPF) mostraram um sofisticado esquema corrupto que visava repasse de propinas através da contratação de empresas.

Além de Temer, seu amigo Coronel Lima e também o ex-ministro Moreira Franco chegaram a ser presos.

Advogado de Temer se manifesta

Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, o advogado de Temer, Eduardo Carnelós, acredita que a Lava Jato e os investigadores ofenderam a aritmética ao acusar Temer de exercer crimes de corrupção há 40 anos. Eduardo Carnelós, então declarou: "o que foi feito foi um escracho, foi para humilhar".

Além do mais, criticou o juiz Marcelo Bretas, dizendo que nextrapão foi preciso ler a sentença para saber a decisão: "não tinha fundamento".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo