O juiz federal Marcelo Bretas, titular da sétima Vara Federal Criminal do Estado do Rio de Janeiro e responsável pela condução da força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato no Rio, se posicionou em decisão contra o ex-presidente Michel Temer, preso no âmbito de um braço da operação anticorrupção, chamada de "Operação Descontaminação". O magistrado carioca estaria mandando supostos "recados" da Operação Lava Jato em direção à Suprema Corte brasileira, conforme matéria divulgada pelo portal UOL.

Vale ressaltar que o ex-presidente da República, Michel Temer, foi preso juntamente com o ex-ministro de seu governo e ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Moreira Franco, que é sogro do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do partido Democratas, do Rio de Janeiro.

Decisão tomada pela Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro

Após a prisão do ex-presidente Michel Temer, o juiz federal Marcelo Bretas teria passado "recados" ao Supremo Tribunal Federal (STF).

As ações se referiam à decisão de determinação da prisão do ex-mandatário brasileiro e um dos principais nomes do MDB. Ao dar início à sua argumentação, o juiz federal afirmou que, de acordo com as investigações dirigidas contra Michel Temer, "não há elementos que indiquem a existência de crimes eleitorais".

O magistrado que conduz a força-tarefa de apurações da Operação Lava Jato em solo carioca concluiu, por meio de seu despacho, que quem deve julgar o inquérito relacionado ao ex-presidente da República, é a Justiça Federal, da qual ele faz parte.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

Vale ressaltar que na semana passada, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), numa sessão considerada muito polêmica, decidiu que a Justiça Eleitoral seria a instituição apta a julgar crimes relacionados às eleições, como lavagem de dinheiro e crimes de "colarinho branco", relacionado a caixa dois, que, anteriormente, eram julgados juntamente à Justiça Comum.

Segundo o procurador da República Roberson Pozzobon, membro integrante da força-tarefa de investigações da Operação Lava Jato, a Justiça Eleitoral não estaria estruturada para o julgamento de prática de crimes de Corrupção, de cartel, de lavagem de dinheiro e de organização criminosa, entre outros.

Pozzobon assegurou que a Operação Lava Jato trabalha com provas concretas, para que se possa transferir processos da Justiça Federal para a Justiça Eleitoral.

Em sua decisão manifestada sobre o processo que envolve o ex-presidente Michel Temer, o procurador endossou o entendimento feito pelos investigadores. De acordo com o magistrado, os investigados no âmbito da Justiça Federal devem comprovar, por meio de provas concretas, que os crimes cometidos sejam relacionados a delitos eleitorais, para que os inquéritos sejam remetidos à Justiça Eleitoral.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo