A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve pedido negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin sobre transformar o julgamento que à princípio seria virtual em julgamento presencial na Corte, onde Lula poderia anular a sua condenação no caso do tríplex de Guarujá. Consequentemente, os advogados pedem a libertação de Lula antes que haja um julgamento sobre o tema prisão em segunda instância, que acontecerá no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Com o pedido negado, os ministros irão julgar o tema a partir da próxima sexta-feira (12), entretanto, a defesa do líder do PT queria que fosse julgado já nesta terça (9). Os ministros terão até o dia 23 deste mês para enviar o seu posicionamento sobre o recurso da defesa do petista. Os cinco ministros da Corte que compõem a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal são: Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

No julgamento virtual, os ministros analisam o recurso eletronicamente e vão apresentando os seus votos.

Defesa reclamou da decisão do STJ

O recurso apresentado pela defesa de Lula é uma reclamação à decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O ministro Félix Fischer tomou decisão monocraticamente manifestando-se contrário ao pedido da defesa que contestava a condenação em segunda instância dada a Lula.

Contudo, nesta semana o Supremo levantará a questão a fim de validar ou mudar a decisão do ministro Félix Fischer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

A tentativa da defesa do ex-presidente é fazer com que o Supremo tome uma decisão sobre a prisão de Lula antes que ocorra o julgamento específico no STJ para tratar de prisões após condenação em segunda instância. Dessa forma, independente do que ocorrerá futuramente, a decisão a respeito do petista já teria sido tomada.

Edson Fachin

O ministro Edson Fachin avaliou que o fato do julgamento no STJ estar próximo não significa que vá acarretar "prejuízo irreparável" ao ex-presidente Lula.

Então concluiu que independentemente da decisão no STJ, o caso do tríplex atribuído ao petista poderá ser avaliado futuramente pela Suprema Corte.

Lula está preso desde o dia 7 de abril na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Paraná. O petista é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo um tríplex localizado em Guarujá, litoral de São Paulo.

O petista foi condenado em 12 anos e um mês de regime fechado pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4).

Investigações apontaram que o imóvel foi fruto de propina através da empreiteira OAS em troca de contratos com a Petrobras.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo