Luís Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente da República, Luíz Inácio Lula da Silva, foi nomeado como assessor auxiliar parlamentar, nesta terça-feira (2). O filho do petista conseguiu emprego através do deputado estadual Emídio de Souza, do Partido dos Trabalhadores.

Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo, Luís Cláudio estará em um cargo comissionado, que é de livre indicação, e ganhará o salário de R$ 6.515,40. Ele estará atuando na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

No entanto, Luís Cláudio, juntamente do pai, é réu na Operação Zelotes. As investigações da Polícia Federal evidenciam o recebimento de dinheiro ilícito, no valor de R$ 2,55 milhões da consultoria M&M. Os valores, segundo investigações, seriam para beneficiar clientes através de incentivos fiscais e também teria servido para a realização de compras de aviões suecos da Saab.

O deputado responsável pelo emprego do petista disse que Luís Cláudio é uma pessoa capacitada para estar no cargo.

Conforme falas de Emídio de Souza apresentados no site da Folha de S.Paulo, é "descabida" a tentativa de impedir que o filho do ex-presidente trabalhe. Além do mais, de acordo com as informações do deputado, há uma "perseguição" contra o ex-presidente Lula que envolve toda a família do petista. Assim, Souza acredita que ocorra uma afronta ao Estado democrático de Direito. O deputado Emídio de Souza estava fora da Assembleia de São Paulo há cerca de 15 anos. Ele já foi prefeito da cidade de Osasco e também tesoureiro do PT.

Publicidade

Polícia indiciou Lula e seu filho

Em março deste ano, a Polícia Federal indiciou Luís Cláudio e Lula por suspeita de lavagem de dinheiro e tráfico de influência. Os crimes envolvem a empresa Touchdown, de marketing esportivo. Desde 2017 a empresa é investigada, ela teria recebido mais de R$ 10 milhões em pagamentos irregulares de grandes patrocinadores. Entretanto, o capital da empresa apresentado era apenas de R$ 1 mil.

Conforme decisão da juíza da 4ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Bárbara de Lima Issepi, o caso deve ser remetido à vara especializada em crimes financeiros.

Contudo, a força-tarefa da Lava Jato de São Paulo passou a analisar o caso.

A defesa do ex-presidente Lula e de Luís Cláudio avaliou que o relatório apresentado é de caráter "opinativo" e tem "fragilidades jurídicas". Então, frisa que o ex-presidente Lula jamais recebeu qualquer tipo de valor ilícito e muito menos participou de qualquer atuação na empresa Touchdown.

Leia tudo