O presidente Jair Messias Bolsonaro (PSL) está correndo contra o tempo para conseguir aprovar no Congresso um pedido de crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões para cumprir a chamada "regra de ouro". Isto porque as contas públicas estão desequilibradas e o Governo está correndo risco de ficar sem dinheiro nas próximas semanas. Este dinheiro seria destinado a pagar as despesas como o programa Bolsa Família, aposentadoria do INSS e também para oferecer crédito mais barato aos produtores rurais.

Dessa forma, o governo Bolsonaro tenta aprovar uma autorização de emissão de cerca de R$ 249 bilhões em dívida.

A aprovação deve ser feita pelo Congresso em até duas semanas. Caso isso não ocorra, Bolsonaro terá que resolver um dilema: cancelar as despesas e agravar a crise econômica ou mantê-las e correr o risco de sofrer um processo de impeachment.

No meio dessa decisão difícil está a chamada "regra de ouro", que impede que o governo faça dívidas para pagar despesas como os gastos administrativos, serviços públicos, salários de servidores, materiais escolares, contas de luz, benefícios sociais, etc. A "regra de ouro" tem como principal objetivo manter o controle da dívida pública e proporcionar que as próximas gerações não arquem com dívidas realizadas no passado.

O relator responsável pelo Projeto de Lei que discute esta questão é o deputado Hildo Rocha (PMDB-MA), que irá apresentar o texto na próxima quarta-feira (5). O texto que recomenda a liberação do crédito será votado na Comissão Mista de Orçamento (CMO).

Segundo Hildo Rocha, o governo possui culpa em ter demorado na análise do pedido da liberação de crédito. Ele disse que o Executivo haia autorizado o crédito extra no mês de março, entretanto houve uma demora ao enviar informações solicitadas pela CMO.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Lula

O relator criticou a demora e falou que estavam “correndo contra o tempo”.

Segundo Leonardo Albernaz, secretário de Macroavaliação Governamental do Tribunal de Contas da União (TCU), há a possibilidades do Congresso não aprovar a liberação do crédito de R$ 249 bilhões solicitado por Bolsonaro. Entretanto, o secretário alertou em uma audiência na (CMO) do Congresso que se isso acontecer o país poderá sofrer um “quadro de colapso social e também e econômico”.

Bolsonaro comemora aprovação da MP 871

O presidente Jair Bolsonaro comemorou mais uma vitória em seu governo na noite desta segunda-feira (3).

Em sua conta no Twitter, ele comemorou a aprovação da Medida Provisória (MP) 871 e parabenizou os parlamentares que se dedicaram para que ela fosse aprovada.

Bolsonaro foi enfático em ressaltar a importância da MP 871 ter sido aprovada. Para o presidente a sua aprovação possibilitará uma economia de 100 bilhões em 10 anos ao Brasil. Além de agradecer os parlamentares, o presidente destacou em especial a participação do deputado federal Paulo Martins (PSC-PR) que foi o relator da MP na Câmara.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo