Ministros e especialistas estiveram presentes em um seminário no Distrito Federal, Brasília. De acordo com informações da Agência Brasil, na quarta-feira (4), os mesmos adjetivaram a Corrupção como um problema e chamaram a atenção para que ela seja vista além da esfera criminal.

Os responsáveis pela promoção do evento foram o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e o Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos.

No evento, o ministro André Mendonça denotou as baixas posições do Brasil nos rankings de corrupção.

A ponderação do advogado-geral da União também diz respeito à Transparência Internacional na edição da última relação divulgada, referente ao ano de 2018.

A ministra Damares Alves, responsável pela pasta do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, destacou que "a corrupção é a maior violação dos direitos humanos".

Ranking e os impactos no país

Segundo levantamento, dentre as 214 nações analisadas, o Brasil se encontra na 105ª posição. O país fica atrás de regiões ricas como a América do Norte e a Europa, por exemplo. Além disso, constatou-se que na América do Sul, o país também fica atrás de Chile e Uruguai.

No evento, André Mendonça salientou os resultados negativos da corrupção criticando o fato de a corrupção ser chamada de "delito sem vítima, mas [as vítimas] somos todos nós".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Educação

Para esclarecer como a corrupção vitima a todos, o ministro trouxe à tona dois exemplos: da área da saúde e da Educação. Quando a pessoa vai ao médico e "não tem medicamento" e quando "vai à escola e não tem educação de qualidade". Na citação da escola, Mendonça também reiterou o saneamento básico.

A ministra Damares Alves chamou a atenção para os temas da saúde e educação e a aproximação entre eles.

A autoridade colocou-os como ponto de referência para a compreensão dos impactos naquilo que são alguns direitos das pessoas: saúde, educação e segurança. Não obstante, a ministra também tratou os temas como instrumentos de referência no impacto à conscientização das pessoas sobre o combate a práticas irregulares.

Violação dos direitos humanos

Damares foi enfática ao considerar a corrupção como a maior violação dos direitos humanos.

A ministra chamou a atenção para o tema e convocou um enfrentamento à corrupção nas escolas, naquilo que chamou de "contrarrevolução cultural".

Casos de propina de construtoras foram dados como exemplo. A ministra contrapôs esse exemplo ao déficit de estruturas no Brasil.

Macro e microcorrupções

Corroborando com a fala da ministra Damares Alves, o secretário nacional de Proteção Global do Ministério, Sérgio Augusto Queiroz, grifou ser relevantes que iniciativas educacionais desconstruam as grandes e as pequenas corrupções do dia a dia.

Em suas palavras: macro e microcorrupções.

Luciana Asper, do Ministério Público do Distrito Federal ressaltou o respeito à legislação e o combate à corrupção.

A promotora relacionou essas posturas como obrigações tanto dos cidadãos quanto, mais ainda, da Administração Pública.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo