Após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) falar sobre a possibilidade de seu filho Eduardo (PSL-SP) ser indicado para o cargo de embaixador em Washington, surgiram muitas críticas. A indicação do filho foi levantada por Bolsonaro na última quinta-feira (11) e desde então tem sido um dos assuntos políticos mais comentados no país.

Durante a comemoração de aniversário do Comando de Operações Especiais do Exército, nesta segunda-feira (15), o presidente resolveu comentar a respeito da possível indicação de Eduardo para representar o país em Washington.

Ao iniciar seu discurso na tribuna da Câmera, o presidente afirmou que às vezes é necessário tomar decisões que nem sempre agradarão a todos, referindo-se à possibilidade de indicação do seu filho para assumir a embaixada: "por vezes, temos que tomar decisões que não agradam a todos". Em seguida, ele afirmou que se o filho estava sendo tão criticado pela mídia é porque seria realmente a pessoa adequada ao cargo: "se está sendo criticado, é sinal de que é a pessoa adequada".

Eduardo Bolsonaro também fez seu discurso durante o evento, porém, ao contrário do pai, optou por não mencionar a respeito do assunto.

Ele apenas relembrou a carreira política do pai e afirmou que o presidente não era mais uma voz sozinha: "não é mais uma voz sozinha aqui, estamos ao seu lado".

'É um cargo eminentemente político', diz ministro

Um dos questionamentos que foram suscitados após a possibilidade da indicação de Eduardo é se isto se trataria de nepotismo. Ao ser indagado por jornalistas a respeito disso, Jorge Oliveira, que é o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, afirmou que isto não se enquadra como nepotismo, pois, segundo ele, o cargo é eminentemente político.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Governo

Entretanto, Oliveira, que também é responsável pela análise de atos que são assinados por Bolsonaro, afirmou que respeitava quem pensava diferente.

Para o ministro, o fato de Eduardo Bolsonaro ser filho do presidente não significa que não possa exercer funções no Governo. Entretanto, segundo o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio, a situação de Eduardo se enquadraria como nepotismo.

'Excelente nome', diz Ernesto Araújo

Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, também se manifestou a respeito da possível indicação de Eduardo e afirmou que ele seria um nome "excelente" para ocupar o cargo de representante da embaixada.

Após a fala de Ernesto Araújo, Eduardo afirmou que seu nome poderia ser indicado ao cargo não porque é filho de Bolsonaro, mas devido à sua experiência como político. "Mas não sou um filho de deputado que está do nada vindo a ser alçado a essa condição, tem muito trabalho sendo feito", disse Eduardo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo