O fato da nova reforma da Previdência não ter, ainda, chegado ao Senado da República do Brasil não impede que membros da Casa estipulem prazos para a conclusão da mesma, mesmo que divergentes. Foi o que fez o senador Fernando Bezerra do Movimento Democrático Brasileiro, o MDB/PE. Segundo informações da Agência Brasil, Bezerra, tido como o líder do Governo na Casa, estipulou um prazo de 45 dias para a aprovação da reforma, o senador teve como base, avaliações feitas.

Para ele, a aprovação de 2 turnos deve ocorrer dentro deste prazo, no entanto, sua companheira de partido diverge um pouco no que diz respeito a aprovação no Senado Federal.

Com um número de dias um pouco distante do senador Fernando Bezerra, a senadora Simone Tebet, também do MDB (por Mato Grosso do Sul), avaliou um prazo de 60 dias. A explicação para a longura do prazo, na visão da senadora -que por sua vez é presidente da CCJ, a Comissão de Constituição e Justiça na Casa, parte da premissa de que a análise do assunto leve 3 semanas, no mínimo.

Otimismo

Diferentemente de Tebet, o número de dias estipulado por Bezerra, parte do princípio do Senado ter um número mais baixo de parlamentares do que na Câmara dos deputados, o que facilitaria o diálogo. O Senado tem 81 parlamentares e a Câmara tem 513.

Na avaliação de todos os processos o parlamentar mostrou-se crente na celeridade do trâmite.

O otimismo do parlamentar também refletiu nos votos onde os favoráveis à reforma da Previdência, segundo ele, tende a ser maioria, dado o apoio da Casa ao governo no atual tema.

Avaliou-se que o texto saia da Câmara com mais ou menos entre 54 e 60 votos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Opinião

Pós-turno na Câmara dos deputados

Na sexta-feira passada (12), a Câmara dos deputados conseguiu aprovar a reforma da Previdência no primeiro turno, no entanto, ainda resta o segundo turno.

O segundo turno está marcado para ocorrer na primeira semana do mês de agosto, na terça-feira, dia 6.

Seguindo o trâmite, só depois da conclusão do segundo turno na Câmara dos deputados é que a reforma deve ser encaminhada ao Senado, onde, se aprovada sem alterações deve, só então ser promulgada, isto é, aceita oficialmente.

Na regra, caso haja alguma alteração no Senado, o texto volta para a Câmara para ser confirmado.

Senado 'fechado' com a Câmara

Tudo indica que o Senado quer o texto pronto para só então promulgar, isto evitaria a demora da conclusão e o desgaste do processo.

A tese da inclusão dos estados e municípios não foi à frente na Câmara dos deputados, mas ganha força no Senado Federal, entretanto, outra redação da proposta é estudada para que possa tramitar independente da principal, ou seja, uma outra PEC (Proposta de Emenda à Constituição).

A ideia da PEC independente, no que diz respeito aos estados e municípios poderá ser apresentada a Tasso Jereissati do PSDB/CE -o Partido da Social Democracia Brasileira, pelo Ceará.

Davi Alcolumbre, presidente do Senado é um dos apoiadores da PEC independente.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo