Na tarde desta quarta-feira (24), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi às redes sociais parabenizar a Polícia Federal (PF) pela ação que resultou na prisão de quatro suspeitos de terem invadido seus celulares.

Em sua conta no Twitter, Moro escreveu que estava parabenizando a PF, o Ministério Público Federal (MPF) e a Justiça Federal pela Operação Spoofing, que teve como objetivo desarticular uma suposta organização criminosa cibernética.

Em sua publicação, Moro se referiu aos presos na operação como "pessoas com antecedentes criminais" e "envolvidas em várias espécies de crimes". Ele disse ainda que os suspeitos seriam "a fonte de confiança" das pessoas que haviam divulgado as supostas mensagens atribuídas a ele, "obtidas por crime".

Esta foi a primeira manifestação pública de Sergio Moro a respeito da Operação Spoofing. O ministro da Justiça ainda afirmou que havia lido na decisão do juiz que foram feitas 5.616 ligações pelo grupo de hackers "com o mesmo modus operandi". Segundo Moro, seu terminal havia recebido apenas três.

Operação Spoofing prende quatro suspeitos

A Operação Spoofing foi deflagrada pela PF na última terça-feira (23), com o objetivo de investigar os suspeitos de terem invadido os celulares de Moro, do procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol e de outras autoridades.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Sergio Moro

Os quatro suspeitos foram presos nas cidades de São Paulo, Araraquara (SP) e Ribeirão Preto (SP).

Na última segunda-feira (22), a assessoria do ministro da Economia, Paulo Guedes, também afirmou que o celular dele foi hackeado.

Segundo o juiz da 10.ª Vara da Justiça Federal em Brasília, Vallisney de Oliveira, os suspeitos que estão sendo investigados podem fazer parte de uma organização criminosa que tem invadido não só o celular de Moro, mas também os celulares de outras autoridades: "Há fortes indícios de que os investigados integram organização criminosa para a prática de crimes".

Dentre as autoridades, o juiz citou o nome do juiz da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro, Flávio Lucas; os delegados da Polícia Federal Flávio Reis (Campinas) e Rafael Fernandes (São Paulo); e também o desembargador Abel Gomes (TRF-2).

Movimentações suspeitas

Segundo a Polícia Federal, foram detectadas movimentações atípicas nas contas dos suspeitos de terem invadido os celulares das autoridades.

De acordo com a decisão do juiz Vallisney de Oliveira, foram movimentados por dois suspeitos mais de R$ 627 mil apenas entre o período que compreende março e abril deste ano. Segundo a PF, este valor é considerado suspeito, uma vez que a renda mensal de um dos investigados seria de R$ 2,8 mil, enquanto que a do outro seria de R$ 2,1 mil.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo