O ministro Luiz Roberto Barroso disse nessa sexta-feira (2) em uma palestra sobre cidadania em São José dos Campos, no interior de SP, que o importante é o Brasil retomar a sua agenda e que essa agenda foi “roubada” pelos hackers, os quais chamou de “criminosos”. Isso porque, segundo o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), criou-se uma grande celeuma diante de mensagens vazadas por atos criminosos.

Barroso criticou dizendo que estava impressionado com o número de pessoas que ficam empolgadas com esses hackers e comemorando uma ação criminosa.

Analisando as supostas mensagens, Barroso disse que há muito mais “fofoca” do que alguma coisa mais relevante: "há mais fofoca do que fatos relevantes, apesar do esforço de se maximizarem esses fatos". Isso foi declarado em um evento na ACI (Associação Comercial e Industrial) e o tema da palestra foi a cidadania.

Em junho, o site The Intercept Brasil começou uma série de reportagens fmostrando supostos trechos de diálogos entre Sergio Moro, quando era juiz que cuidava da Lava Jato, e procuradores da operação. O site não drevelou sua fonte.

Apesar de toda essa celeuma feita, segundo o ministro nada pode esconder os casos de Corrupção feitas na Petrobras, que devastou a empresa estatal. Continuou dizendo que é difícil procurar um entendimento acerca de qual seria o motivo dessa “euforia” toda que tomou alguns segmentos da sociedade diante do que ele chamou de “fofocada”, feita por “criminosos”: "é difícil entender a euforia que tomou muitos setores da sociedade diante dessa fofocada produzida por criminosos".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Fofocas Lava Jato

O ministro lembrou que há um acordo de US$ 3 bilhões que a empresa petroleira brasileira fez em Nova Iorque com os investidores estrangeiros e concluiu dizendo que nada poderia esconder a tamanha corrupção sistemática estrutural que houve no país.

Jornalista Reinaldo Azevedo critica Barroso

O jornalista Reinaldo Azevedo escreveu um artigo nesse sábado (3) criticando a postura de Barroso, segundo ele, defendendo o procurador Deltan Dallahnol.

O jornalista ainda disse que Deltan seria o jovem que convive em coquetéis caseiros de Barroso com roupas casuais.

Sobre a fala do ministro em que diz não entender a euforia de certos setores da sociedade diante dessa “fofocada” feita por “criminosos”, o jornalista perguntou quais seriam os "criminosos": aqueles que fraudam a lei e vão para a prisão ou aqueles que “fraudam” a lei e mandam para a prisão.

O jornalista disse que o vazamento não tem nenhum indício de fofoca e o clima de fofoca só se dá quando membros da Lava Jato fazem acerto “ilegal” com o juiz.

Azevedo ironizou que a única fofoca que sabe é aquela produzida em coquetéis domésticos que não podem sair na imprensa.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo