Durante as últimas semanas 12 ex-presidentes da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, se uniram à causa do atual presidente da entidade, Felipe Santa Cruz, após o presidente Jair Bolsonaro declarar que poderia dizer como Fernando Santa Cruz (pai de Felipe Santa Cruz) havia morrido. Bolsonaro ainda afirmou que o militante que integrou a Ação Popular havia sido morto por esquerdistas devido a desavenças internas do grupo, na época em que o país era comandado pelo regime militar.

Pela primeira vez, segundo o ex-presidente da OAB, Marcelo Lavénere, há uma união histórica que tende a ser benéfica, já que o Brasil vive uma instabilidade que precisa ser controlada. Lavénere, ainda, afirmou que a união dos 12 ex-presidentes contribui de forma positiva para a instituição que se sentiu ofendida com as declarações do atual presidente da República, Jair Bolsonaro.

As ameaças nas redes sociais

Diante do que vem ocorrendo com o presidente da OAB abriu-se um espaço para que as suas redes sociais fossem alvo de ameaças, de modo que, a Ordem dos Advogados do Brasil decidiu comunicar a Polícia Federal (PF) sobre tais ameaças, em especial, quando uma das mensagens cita o carro blindado que Felipe utiliza.

Felipe divulgou nota de repúdio, interpelou judicialmente o presidente Bolsonaro e o chamou de “cruel”. O presidente da OAB acionou o STF (Supremo Tribunal Federal) para cobrar esclarecimentos de Bolsonaro.

Associação do caso Collor e Bolsonaro

O ex-presidente da OAB, Marcelo Lavénere, foi autor do pedido de impeachment de Collor (1990-1992) juntamente com o então presidente da ABI (Associação Brasileira da Imprensa), Barbosa Sobrinho.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Segundo Lavénere há semelhanças entre os dois governos no sentido de perca do apoio popular e ressaltou que no período Collor as situações que levaram o impeachment de Collor eram mais amenas que a atual.

Para Lavénere e Felipe Santa Cruz as ações do presidente Bolsonaro não condizem com o cargo que ocupa, pois, requer diplomacia, ética, respeito e humanidade, caso permaneça da forma que está o Governo Bolsonaro corre o risco de sofrer uma queda brusca que tende a manter o país instável em todos os setores e instituições, gerando insatisfação popular e possível desejo de impeachment.

O ex-presidente da OAB não concorda que deva haver o pedido de impeachment de Bolsonaro, pois, acredita que é preciso ter muita responsabilidade diferente do que aconteceu com o governo Dilma. Lavénere acredita que é necessário buscar outras soluções e uma das alternativas é minimizar as ofensas para com as instituições, órgãos e seus dirigentes ou o país cairá no “completo descrédito” mundial.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo