Nesta segunda (26), o presidente da França, Emmanuel Macron, 42, pronunciou-se pela primeira vez após a polêmica envolvendo o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), os comentários reforçando ofensas à sua mulher e os problemas com incêndios que envolvem a região amazônica.

Macron endossou um discurso de crítica à postura do presidente brasileiro, e ressaltou que povo brasileiro merece alguém "à altura do cargo" de presidente do país.

Com tom calmo em suas respostas, em entrevista concedida ao lado do presidente do Chile, Sebastián Piñera, o chefe de estado francês cobrou publicamente Bolsonaro por algumas de suas recentes declarações.

Repúdio aos comentários sobre sua esposa

No sábado (24), um comentário do presidente brasileiro no Facebook viralizou nas redes sociais, e chegou até o presidente francês. Na oportunidade, um seguidor de Jair Bolsonaro nas redes sociais publicou uma imagem com a legenda: "Agora entende por que Macron persegue Bolsonaro?", reforçado pelo presidente brasileiro com risadas, acompanhado do comentário pedindo para que o seguidor "não humilhasse" Macron.

A imagem rapidamente repercutiu nas redes sociais, e foi amplamente criticada. Vale lembrar que Emmanuel tem 42 anos, enquanto Brigitte possui 66. Já no caso de Jair e Michelle, ambos possuem 27 anos de diferença de idade, sendo a primeira-dama mais nova do que o presidente brasileiro.

'Não me falou a verdade', dispara Macron

Segundo o presidente francês, Bolsonaro garantiu a ele que faria de tudo pelo reflorestamento da Amazônia, teria engajamento com políticas ambientais e faria de tudo para alinhar às exigências do Acordo de Paris, uma vez que desejava que o acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul fosse selado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

"Pode-se dizer que não me falou a verdade", disse o presidente da França, que ainda reforçou o fato de que, pouco tempo após o encontro, o chefe de estado brasileiro demitiu cientistas e duvidou de dados de instituições com respeito internacional. Macron ainda reforçou o fato de que Bolsonaro teria cancelado um compromisso importante com o ministro das Relações Internacionais da França em razão de um "importante compromisso no cabeleireiro".

Apoio à Amazônia

Macron, ainda durante sua entrevista, relatou que pretende auxiliar com um montante de € 20 milhões (R$ 91,5 milhões) como ajuda financeira para combater os incêndios na região Amazônica, além de contribuir com militares franceses para estancar o fogo que invade a floresta.

O presidente francês, antes de finalizar sua entrevista, ainda deixou em aberto uma possibilidade de deixar em aberto uma possível ideia de internacionalização jurídica da Amazônia.

Contudo, ressaltou que as conversas recentes entre o presidente do Chile, Piñera, com Jair Bolsonaro vão na contramão do desejo de Macron.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo