De acordo com uma análise publicada pela revista IstoÉ nesta quarta-feira (14), o Supremo Tribunal Federal (STF) tem mostrado um lado bizarro diante das ações que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a revista, enquanto os processos na mais alta Corte do país são demorados, já que a Justiça do Brasil é devagar, Lula consegue ser atendido com grande precisão e tem seus recursos prontamente atendidos pelos ministros, embora algumas decisões não saiam conforme o petista esperava.

O ex-presidente Lula, que cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba por corrupção e lavagem de dinheiro na ação do triplex de Guarujá, tem protocolado, por intermédio de seus advogados, vários recursos.

O líder do PT acredita que foi prejudicado por Sergio Moro, que era o juiz responsável pela sua ação penal na Lava Jato. Em decorrência dos diálogos vazados entre Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol, e divulgados pelo site The Intercept Brasil, Lula exige a suspeição de Moro e diz que ele foi parcial em suas decisões.

Diante disso, vários recursos são impetrados no STF.

Conforme avaliação da IstoÉ, Lula não perde a mania de achar que o tribunal vive à sua disposição.

Recentemente foi cogitada a transferência dele para o presídio de Tremembé. Contudo, segundo avaliação da revista, o STF parou tudo o que estava fazendo e interrompeu essa transferência, atendendo a um pedido do petista.

A IstoÉ afirma ainda que apelos iguais a esse do ex-presidente esperam anos e anos por uma decisão dos ministros.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Mais apelações

Além disso, há três apelações da defesa do petista pedindo a suspeição de Sergio Moro. Elas entrarão no julgamento virtual do Supremo a partir desta quinta-feira (15).

A revista IstoÉ afirma ainda achar que Lula e o STF possuem uma "relação de amor e ódio". O líder do PT chegou a dizer há alguns meses que a Corte estava acovardada após tomar decisões contra a sua liberdade. Na época, quem estava no comando do Supremo era a ministra Cármen Lúcia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo