Na manhã dessa terça-feira (3), uma operação realizada pelo Grupo de Atuação Especializada e Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio de Janeiro (Gaeco/MPRJ) foi responsável por realizar a prisão de dois ex-governadores do estado, Rosinha Matheus e Anthony Garotinho.

Durante as ações do Gaeco, também foi preso Sérgio dos Santos Barcelos, subsecretário estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

A respeito das prisões, é possível afirmar que tanto os ex-governadores quando o subsecretário foram presos em decorrência de uma suspeita ligada ao superfaturamento de alguns contratos realizados entre a construtora Odebrecht e a Prefeitura de Campos dos Goytacazes (RJ).

Atualmente, estima-se que o prejuízo gerado por essas operações tenha sido de R$ 60 milhões. As declarações a respeito dos valores foram obtidas por meio de algumas delações feitas à Lava Jato.

Os ex-governadores foram presos em casa, no bairro do Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro. Posteriormente, eles foram encaminhados à Cidade da Polícia, na zona norte da cidade, local no qual chegaram por volta das 7h30. Está previsto que o casal deverá passar por um exame de corpo de delito no IML e também por uma triagem relacionada ao sistema carcerário, que deverá acontecer em Benfica.

Essa é a quarta prisão de Anthony Garotinho. Quanto a Rosinha, é possível afirmar que ela está sendo presa pela segunda vez.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Flamengo

Operação Secretum Domus

Além de Garotinho e Rosinha, também foram presos pela Operação Secretum Domus Angêlo Alvarenga Cardoso Gomes e Gabriela Trindade Quintanilha. Os mandados de prisão foram emitidos pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes, localizada no norte do estado do Rio de Janeiro.

É possível apontar que a denúncia feita pelo Ministério Público destaca que a Prefeitura de Campos dos Goytacazes e a Odebrecht foram responsáveis pelo superfaturamento de alguns contratos ligados à construção de casas populares.

Esse superfaturamento está ligado aos programas Morar Feliz I e Morar Feliz II, ambos iniciados durante o mandato de Rosinha, mas não finalizados.

De acordo com o Ministério Público, os editais de licitação contavam com algumas cláusulas demasiadamente restritivas. O MP ainda apontou que isso evidenciava que o documento em questão foi formulado com a clara intenção de tornar a Odebrecht a construtora responsável pelos projetos em questão.

Os detalhes relacionados ao esquema foram revelados devido a um acordo de colaboração feito entre a Operação Lava Jato e dois denunciados por ela, Benedicto Barbosa da Silva Junior e Leandro Andrade Azevedo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo