Muito em breve, o partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL (Partido Social Liberal), poderá se ver sem sua figura, o que ficou claro dadas as declarações do próprio em rede nacional, na noite deste domingo (3), em entrevista exclusiva à Record TV, mais especificamente ao programa "Domingo Espetacular".

Durante a atração, Bolsonaro disse "pagar a conta" sobre desvios de terceiros no PSL, partido com o qual firmou afiliação para disputar a presidência do Brasil no pleito eleitoral ano passado.

De acordo com as declarações do presidente, as chances dele deixar o atual partido são de 80%, enquanto as chances de criar um novo partido são de 90%.

Bolsonaro, um sonho, um partido

Sobre tais declarações, Bolsonaro aproveitou o momento para revelar um sonho: o de criar um partido. O presidente supôs a coleta de assinaturas, de maneira eletrônica, declarando que assim teria um partido até março.

Sob tais condições, o presidente ressaltou que assim teria como escolher quem concorreria à prefeitura, já que teria mais ou menos 200 candidaturas pelo país.

Apelo do presidente à TV Globo

Durante a entrevista, várias questões foram levantadas pelo repórter Thiago Nolasco, dentre elas, a citação do porteiro no âmbito do caso que envolve o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), ocorrido em março do ano passado.

Na semana passada, o "Jornal Nacional" mostrou em uma reportagem que o porteiro do condomínio onde o presidente tem casa afirmou em depoimento que Bolsonaro autorizou o ex-PM Élcio Queiroz a entrar no condomínio no dia em que a vereadora foi assassinada.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Élcio está preso suspeito de participação no crime.

Depois da reportagem da Globo sobre o depoimento do porteiro, o Ministério Público do Rio de Janeiro alegou mentira por parte do porteiro, sendo contestado depois.

O presidente afirmou ter determinado à PGR (Procuradoria-Geral da República) que colha o depoimento do porteiro e dos funcionários, inclusive o delegado responsável pelo caso Marielle.

A Nolasco, o presidente reafirmou saber da citação de seu nome por meio do governador do Rio, Wilson Witzel.

"É um jornalismo sujo por parte da TV Globo.[...]", destacou o presidente, pedindo 15 minutos para explicar isto e mais coisas, sob certas condições, neste caso, de quem vazou a informação.

Jair Bolsonaro disse não ter sido procurado pela Globo para dar a sua versão. Quem ficou responsável pela defesa do presidente foi o advogado Frederick Wassef, sendo veiculado na referida reportagem, então disposta pela TV Globo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo