Após fazer campanha para Jair Bolsonaro durante o período das eleições em 2018, o líder dos caminhoneiros Wanderlei Alves, o Dedeco, de 45 anos, informou estar irritado com a atitude do presidente sobre o coronavírus.

Bolsonaro está louco. Não tem outra explicação para o comportamento dele. Não é possível salvar a economia do Brasil empilhando corpos. Como assim ele diz que só idosos morre de covid-19? ‘Só’ idoso? A vida do idoso vale menos?”, disse o líder.

A cada 300 quilômetros das rodovias do país, Dedeco informou que governo federal poderia criar postos de atendimentos para fazer uma inspeção nos caminhoneiros e todos que passassem, com intuito de identificar quem está com suspeitas da covid-19 e realizar um possível tratamento, já que a maioria dos hospital do país estão lotados mediante as consequências do vírus.

Medidas que o governo Bolsonaro está tomando

Diariamente, agentes do Ministério da Saúde realizam campanhas nas redes sociais alertando a população brasileira sobre o vírus, informando todos os cuidados que devem ser feito para evitar o contágio do vírus.

Como ainda não foi elaborado um remédio ou vacina para coibir a covid-19, os agentes da área da saúde aconselham que a população permaneça em quarentena e ser prevenir nas ruas. Se possível, não encostar em lugares com grande circulação de pessoas, evitar contato próximo e até mesmo físico, tendo como exemplo: abraços, beijos e aperto de mãos. O auxílio do álcool gel também é fundamental, mas os agentes informaram que a prioridade é a higienização das mãos com água e sabão.

Situação no país e no mundo

Até o presente momento, o Brasil registra 241 mortes e 6.836 casos confirmados. Como o vírus se prolifera muito rápido, possivelmente esses números poderão ser alterados nas próximas horas.

O Brasil, no entanto, está distante de países da Europa, como a Itália, que registra mais de 700 mortes diária.

De acordo com algumas informações, o país já registrou pouco mais de 12 mil mortes em decorrência da covid-19.