Neste domingo (14), o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, publicou nota sobre os ataques feitos ao Supremo Tribunal Federal (STF). Ele declarou que as instituições devem respeitar o povo e que "todos devem fazer uma autocrítica".

Em nota oficial, André Mendonça declarou que "a democracia pressupõe o respeito às suas instituições democráticas". A nota foi publicada após as manifestações realizadas no domingo (14). A nota também ressalta que é preciso respeitar a vontade das urnas e o voto popular.

Neste domingo (14) foi realizada uma pequena manifestação liderada pelo grupo 300 do Brasil, que tem como integrante a blogueira Sara Winter.

Na ocasião, os manifestantes soltaram fogos de artifício em direção ao Supremo Tribunal Federal e proferiram ofensas à corte.

Após os atos, André Mendonça divulgou nota na qual pediu que as instituições fizessem uma autocrítica e afirmou que a democracia pressupõe, acima de tudo, que todo poder emana do povo, e por este motivo as instituições devem respeitá-las.

Ministro da Justiça pede abertura de inquérito contra jornalista

Nesta segunda-feira (15), o André Mendonça pediu abertura de inquérito para apurar uma publicação feita nas redes sociais pelo jornalista Ricardo Noblat. Na publicação é feita uma insinuação que associa o presidente Jair Bolsonaro ao nazismo.

O Ministério da Justiça divulgou uma nota informando que a investigação foi solicitada à Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República (PGR), com base no Artigo 26 da Lei de Segurança Nacional.

De acordo com a lei, este dispositivo prevê pena de quatro anos de reclusão por calúnia e difamação dos presidentes da República, Senado Federal, Câmara dos Deputados e Supremo Tribunal Federal. O crime é definido como fato ofensivo à reputação.

O jornalista Ricardo Noblat, por meio das redes sociais, comentou sobre a nota do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Ele escreveu que depois do inquérito das fakes news, os bolsonaristas se tornaram defensores da liberdade de expressão, e defendeu que uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Sara Winter

A chefe do grupo 300 do Brasil foi presa nesta segunda-feira, pela Polícia Federal, que cumpre o mandado de prisão de outras cinco pessoas investigadas por exercerem atos antidemocráticos.

A prisão temporária de Sara Winter foi autorizada pelo Ministro Alexandre de Morares, do Supremo Tribunal Federal (STF). A prisão será de cinco dias e pode ser prorrogada por mais cinco.

O grupo organizado por Sara estava acampado na Esplanada dos Ministérios, com cerca de 30 pessoas. O grupo estava desde o início de maio e foi desmobilizado no final de semana.

De acordo com advogada de Sara Winter, a prisão de sua cliente é política e ela irá entrar com um pedido de habeas corpus.

Bolsonaro e Weintraub

O presidente Jair Bolsonaro falou sobre a participação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, nas manifestações a favor do Governo. Na avaliação de Bolsonaro, não foi muito prudente. Ele afirmou que ele não estava representando o governo, mas a si próprio, e que estava resolvendo tudo com Weintraub.

O ministro da Educação foi multado pelo governo do Distrito Federal por não usar máscara de proteção durante o ato, pois, por conta de decreto local, é proibido durante a pandemia, andar sem a proteção em locais públicos.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!