Em virtude das limitações de acesso a dados da Covid-19, impostas pelo Ministério da Saúde, diversos veículos de comunicação formaram uma parceria para trabalhar de forma conjunta a fim de coletarem dados sobre o novo coronavírus e divulgarem de maneira transparente à população.

Imprensa se une contra omissão de dados

A parceria entre os veículos de comunicação veio em resposta à decisão do presidente Jair Bolsonaro de restringir o acesso a informações oficiais sobre a pandemia de Covid-19. Depois que o portal do Ministério da Saúde saiu do ar, na última sexta-feira, e voltou no sábado (08), só é possível coletar os dados referentes às últimas 24h, entre contaminados e óbitos oficiais.

Veículos vão atuar de forma colaborativa

Os veículos O Globo, G1, Extra, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e UOL decidiram trabalhar de forma “colaborativa” para coletar os dados e todas as informações necessárias sobre a covid-19, diretamente com todas as secretarias de saúde dos 26 Estados e também Distrito Federal.

A parceria inédita e histórica envolverá equipes de todos os veículos, que trabalharão juntas, dividindo as tarefas para divulgar diariamente o total de número de mortos, além de todos os números consolidados de contaminados e óbitos confirmados desde o início da pandemia. O objetivo é deixar ao alcance dos brasileiros todas as informações necessárias para acompanhar a evolução da pandemia no país.

O balanço será fechado diariamente às 20h.

Mudança na divulgação de dados do Ministério da Saúde

Algumas alterações na maneira de divulgar as informações, feitas recentemente pelo Ministério da Saúde, reduziram o acesso à informação de forma completa e transparente. A primeira grande mudança foi a respeito do horário de divulgação das informações pessoais, que passou das 19h para as 22h.

Tal mudança dificulta o acesso das informações por parte da mídia, além de inviabilizar a publicação em tempo hábil nos jornais impressos e telejornais. O "Jornal Nacional", por exemplo, “prometeu” aos telespectadores que assim que obtivessem as informações diárias, elas seriam divulgadas. Com isso, nos últimos dias, o Plantão Globo tem divulgado os dados oficiais, logo após o Ministério da Saúde lançar as informações.

A alteração vinha ocorrendo desde a última quarta-feira (04). No primeiro dia, foi alegado falha técnica para justificar o atraso nas informações. Porém, o horário se manteve nos dias seguintes, até ser informado oficialmente a alteração. Ao ser questionado sobre essas alterações, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que isso proporcionaria números mais consolidados e destacou que “acabou matéria no Jornal Nacional", fazendo uma crítica em referência ao jornal da TV Globo, que tem a maior audiência do país.

A segunda mudança ocorrida refere-se ao tipo de informação que passou a ser divulgada pelo Ministério da Saúde. O portal oficial de dados da Covid-19, após voltar ao ar, não continha mais as informações da evolução da pandemia, restringindo-se apenas aos casos novos, ou seja, aqueles que foram registrados no dia.

Todas as informações complementares desapareceram, como links para downloads, tabelas e materiais fundamentais para a análise de jornalistas e pesquisadores, que trabalham a partir destes dados.

Dados conflitantes

Ainda neste domingo (07), o Governo se manifestou dizendo que voltaria a informar o balanço sobre a doença. Entretanto, ao divulgar as informações oficiais do dia, às 22h, o ministério da saúde apresentou dados conflitantes, com relação ao número de novos casos e de mortes diárias. A princípio, o número de mortes divulgado foi de 1.382 nas últimas 24h, em seguida, o ministério informou que o número havia caído para 525.

Levando em consideração as informações conflitantes e a dificuldade em obter os dados oficiais por meio do Ministério da Saúde, a imprensa brasileira formou uma parceria para coletar todas as informações necessárias diretamente com as Secretarias Estaduais.

Veículos de comunicação falam sobre parceria

Os veículos da imprensa que estão participando desta parceria se manifestaram por meio de seus representantes, todos com uma mesma visão e um mesmo objetivo: informar. Para Ali Kamel, diretor-geral de Jornalismo da Globo, essa é a missão do jornalismo, ele ainda reforça que "o momento de pandemia exige um esforço para que os brasileiros tenham o número mais correto de infectados e óbitos”.

Já Sérgio Dávila, diretor de redação da Folha de S.Paulo, destacou que “com essa iniciativa conjunta” a imprensa deixa claro que não irá permitir que os brasileiros fiquem sem informação. Compartilhando da mesma opinião, Alan Gripp, diretor de Redação de O Globo, pontuou que os veículos estão deixando a “concorrência de lado por um bem comum”.

Murilo Garavello, diretor de Conteúdo do UOL, encarou como responsabilidade do jornalismo garantir à população um acesso correto aos dados em meio a pandemia.

Se posicionaram ainda o diretor de redação do Jornal Extra, Humberto Tziolas, e o diretor de Jornalismo do Grupo Estado, João Caminoto. “É triste ter que produzir esse levantamento para substituir uma omissão das autoridades federais", afirma Caminoto. Já Humberto Tziolas reforçou a fala dos demais veículos e ressaltou a importância da "missão do jornalismo" em levar números precisos sobre o coronavírus para toda a população.

Os órgãos de imprensa que estarão atuando nessa parceria divulgarão o balanço dos dados sobre a pandemia do coronavírus em seus respectivos veículos.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!