Em meio a diversas polêmicas envolvendo Flávio Bolsonaro no suposto esquema de 'rachadinha', o jornal Folha de S.Paulo fez uma denúncia sobre movimentações atípicas de Jair Bolsonaro, atual presidente do Brasil e pai de Flávio Bolsonaro, na época em que era deputado.

Contratações e exonerações de funcionários

O jornal aponta que, após uma intensa análise e investigação de documentos referentes aos 28 anos de mandato de Jair Bolsonaro, constatou-se que cerca de 350 pessoas foram contratadas pelo seu gabinete, entre 1998 e 2008.

De acordo com informações do jornal, o gabinete alimentava um modelo de gestão em que os colaboradores eram exonerados e recontratados logo em seguida.

Muitas vezes, a recontratação ocorria no mesmo dia. Tal prática foi extinta na época pela Câmara dos Deputados por causar prejuízos grandes aos cofres públicos.

As movimentações mostram que alguns funcionários eram exonerados do cargo no gabinete de Jair Bolsonaro, seguindo para o gabinete de Flávio, que ocupava um cargo na Alerj no período investigado no suposto esquema de 'rachadinha'.

Entre as movimentações registradas, Nathália Queiroz, filha de Fabrício Queiroz, ganha destaque, pois além de ser registrada com um cargo de assessoria e ter oscilações frequentes em seu salário, até a data de sua demissão ela atuava como personal trainer no estado do Rio de Janeiro, no mesmo período dos registros do cargo em Brasília.

Walderice Santos da Conceição, mais conhecida como Wal do Açaí, aparece como a recordista em alterações salariais do gabinete. Wal chegou a registrar 26 alterações entre 2003 e 2018.

Marselle Lopes, uma das assessoras de Flávio investigada no esquema das 'rachadinhas', também aparece nos registros. Inicialmente ela foi contratada com um salário de R$ 261, que aumentou três meses depois, atingindo o maior piso de todos os assessores, correspondente a R$ 6.001, tendo o salário cortado três meses depois.

De acordo com o levantamento feito pelo jornal, em um período de um ano antes da proibição na Câmara, o gabinete de Jair Bolsonaro executou 18 exonerações. Essas exonerações com recontratações imediatas teriam como objetivo o levantamento de um "caixa" para os deputados.

Verba parlamentar

A Câmara dos Deputados conta com uma verba parlamentar significativa dedicada aos gastos dos parlamentares.

As contratações permitidas são de 5 a 25 funcionários, com remuneração de acordo com o cargo. Um assessor que execute tarefas mais simples pode ganhar em média de R$1.025, já os chefes de gabinete atingem salários de até R$ 15.000.

Comparação

Para comparar, o jornal analisou a documentação de outro deputado do Rio de Janeiro com maior tempo de mandato.

No caso de Miro Teixeira, deputado analisado, a situação foi bastante distinta. No mesmo período de 28 anos de mandato, o deputado promoveu apenas 107 trocas de cargos contra, pelo menos, 350 do atual presidente.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Corrupção
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!