O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, relatou que o Brasil não teme retaliações por parte dos Estados Unidos caso escolha o sistema da empresa chinesa Huawei para conexão 5G no país.

A declaração de Mourão causou repercussão negativa entre os apoiadores do Governo de Jair Bolsonaro (sem partido), que se manifestaram contra o vice nas redes sociais com duras críticas.

Um dos blogueiros alvo das investigações que tramitam no STF (Supremo Tribunal Federal) no inquérito das fake news, Allan dos Santos comentou o caso. "Quem precisa de inimigo quando se tem um vice como esse?", questionou, referindo-se a Mourão.

Sara Winter, porta-voz do grupo de extrema-direita intitulado como 300, e que chegou a ser presa pela Polícia Federal, sendo também uma das investigadas no inquérito, tuitou para Hamilton Mourão. Usando um palavrão, Sara disse para o general "pegar o 5g da China e enfiar no c*", finalizando com "talkey?", em referência à pronúncia de Jair Bolsonaro.

Otoni de Paula, deputado pelo PCS, também se manifestou sobre a declaração do general. Contudo, ele agiu de maneira mais cordial e educada. Contudo, em tom de ameaça, ela postou que a retaliação seria do povo brasileiro e não dos Estados Unidos, afirmando ainda que Mourão não havia entendido a dimensão da guerra que estaria por vir.

Retaliações de bolsonaristas a Mourão

Hamilton Mourão já sofreu ataques nas redes sociais anteriormente pelo clã bolsonarista. No ano passado, o vice foi acusado de aparecer demais nas mídias, supondo que a intenção era promover a sua imagem caso Jair Bolsonaro sofresse um processo de impeachment.

Após esta fase, Mourão e os ativistas digitais do governo de Bolsonaro acabaram melhorando a "convivência" e vivenciando um período de paz, porém, após as declarações do General, a guerra parece ter recomeçado, dando fim à trégua.

Declarações de Mourão

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, alertou na semana passada que, caso o Brasil optasse pela empresa chinesa Huawei, o país poderia sofrer uma possível retaliação por parte dos Estados Unidos, pois o governo de Donald Trump acredita que a empresa chinesa é responsável por serviços de espionagem e já baniu seus produtos em todo o território norte-americano.

Mourão então deixou claro que eles não têm como impedir que empresas participem do leilão e mencionou que a grande maioria das empresas de tecnologia do Brasil possuem equipamentos da marca chinesa e que banir a Huawei do país causaria um grande prejuízo a classe empresarial.

Tecnologia 5G

O leilão do 5G já deveria ter acontecido no Brasil, porém, devido à pandemia do novo coronavírus, a disputa comercial foi adiada. Além da empresa chinesa Huawei, a sueca Ericsson e finlandesa Nokia devem participar do leilão. Ambas as marcas são fortemente apoiadas pelo atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!