O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), comandado por Damares Alves, manifestou-se sobre a absolvição do empresário André de Camargo Aranha da acusação de abuso contra Mariana Ferrer. O caso aconteceu em 2018, em uma festa em Santa Catarina.

"O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) manifesta-se em veemente repúdio ao termo "estupro culposo" e afirma que acompanhará recurso já interposto pela denunciante em segundo grau, confiando nas instâncias superiores", disse a pasta em nota.

"O MMFDH informa que acompanha o caso e que, quando a sentença em primeira instância foi proferida, em setembro, a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres (SNPM) manifestou-se questionando a decisão, com envio de ofícios ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ao Conselho Nacional do Ministério Público, à Corregedora-Geral de Justiça, à Ordem de Advogados do Brasil (OAB) e ao Corregedor-Geral do Ministério Público de Santa Catarina", concluiu o ministério.

Imagens da audiência divulgadas pelo site The Intecept Brasil causaram muita revolta nos internautas. Nas imagens é possível ver o advogado de defesa dizer que André de Camargo Aranha não teria como saber se Mariana estava consentindo ou não o ato sexual entre os dois e concluiu que o empresário não teve intensão de abusar da moça.

O magistrado então entendeu que não houve crime por parte do empresário e resolveu absolvê-lo das acusações.

Alguns momentos do julgamento

Algumas fotos de Mariana foram apresentadas pela defesa do empresário durante a audiência. O advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho, defensor de André, classificou as imagens como "ginecológicas". Outra afirmação feita pelo advogado durante a audiência foi a de que ele não queria ter uma filha como Mariana.

A atitude da defesa do empresário em fazer tal afirmação baseada no estilo que Mariana estava vestindo não foi questionada por nenhuma das pessoas que participava da audiência.

No entanto, Ferrer acabou por se defender e dizer que suas roupas não dizem nada sobre seu caráter. Ela também ressaltou que era virgem na época em que foi abusada pelo empresário.

O advogado continuou dizendo que a blogueira estava usando o choro como argumento para se passar como vítima na situação. Ele então debocha dela dizendo que só faltou uma auréola na cabeça de Ferrer para ela parecer um anjo de tão inocente. Por fim ele disse que as lágrimas de Mariana eram “lágrimas de crocodilo”, insinuando que seria um choro falso.

Nesse momento os magistrados perceberam que Mariana ficou muito ofendida com o que ouviu e perguntou se ela queria se retirar para se recompor.

A blogueira não quis sair naquele momento e pediu para o promotor exigir respeito por parte da defesa e que nem os criminosos recebiam o tratamento que ela recebeu durante a audiência.

Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!