Não é segredo que o Governo federal está contrariado com a instalação pelo Senado da CPI da Covid. Mais uma prova dessa contrariedade foi dada com as manifestações do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que se queixou do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). As informações são do blog do jornalista Gerson Camarotti no site G1.

Apoio

Rodrigo Pacheco venceu a eleição para a presidência do Senado em fevereiro, com o apoio do Palácio do Planalto. O primogênito de Jair Bolsonaro então, antes mesmo da reunião da comissão, na manhã da terça-feira (27), fez cobranças a Pacheco em um grupo que os parlamentares mantêm nas redes sociais.

Segundo o que foi relatado ao blog de Camarotti, o filho de Bolsonaro mostrou nas mensagens forte aborrecimento com Rodrigo Pacheco por não ter levado em consideração uma decisão de um juiz federal de Brasília, que suspendeu a eventual indicação do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para ser o relator da CPI.

Mais a frente, o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), sediado na capital, derrubou a decisão do juiz. No grupo dos senadores, Flávio Bolsonaro questionou o porquê do presidente do Senado não ter agido da mesma maneira que se portou quando Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a CPI fosse instalada.

Violação

Para o filho 01 de Jair Bolsonaro, o Supremo "'estuprou' a instituição Senado Federal".

Pacheco respondeu a Flávio que a decisão judicial que impedia Renan Calheiros de assumir a relatoria da CPI era "inexequível", pois é de competência do presidente da CPI indicar o relator.

Sobre a decisão do ministro Barroso, o presidente do Senado afirmou que, mesmo discordando do mérito, a decisão "se impunha" por reconhecer a legalidade da minoria do Senado para instalar a CPI.

Pacheco terminou dizendo que são situações diferentes e que não se trata de incompetência da presidência do Senado Federal.

Fique em casa

Curiosamente, Flávio Bolsonaro, que assim como o presidente da República é contrário às medidas de isolamento social, usou o argumento de que a CPI da Covid não acontecesse nesse momento por causa da pandemia, e que espera que a responsabilidade não caia sobre o presidente do Senado caso morra algum senador ou outra pessoa que esteja trabalhando no Senado quando for realizada a CPI.

Pacheco novamente respondeu a Flávio Bolsonaro afirmando que todas as medidas de precaução estão sendo tomadas para garantir a segurança de todos na CPI. Novamente, Flávio respondeu e afirmou que Pacheco está se responsabilizando pelo que vier a acontecer.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!