Foi em 11 de novembro de 1871 que os moradores do bairro ganharam oficialmente sua estação, inaugurada para atender ao embarque e desembarque dos operários que trabalhavam na construção das oficinas do Engenho de Dentro. Esta foi idealizada para abrigar o serviço de manutenção dos trens.

Terra de Catulo da Paixão Cearense, Orlando Silva, Sílvio Caldas e Domingos da Guia, limitado pelo Méier, Encantado, Água Santa e Todos os Santos, O Engenho de Dentro desenvolveu-se assim como uma região industrial.

Mas foi com a construção da estação de trem que a história do subúrbio carioca, começou a ganhar aspectos bastante relevantes.

Desde 1858 a área já era usada como parada para os trens que circulavam no primeiro trecho da Estrada Férrea Pedro II --surgida oficialmente 14 anos depois. Na época as composições partiam da Central do Brasil e tinham o Engenho de Dentro e Cascadura como estações intermediárias, antes de chegarem ao ponto final, em Queimados.

Em várias ocasiões, o Imperador D.Pedro 2° visitou a estação e as oficinas, em suas frequentes inspeções às obras de construção da ferrovia.

Por muitos anos, a Estação do Engenho de Dentro funcionou com poucos empregados. Um ajudante de contador, um telegrafista, um auxiliar e dois guarda-chaves eram os responsáveis pelos serviços de cancelas e bagagens.

De acordo com as pesquisas realizadas pelo Programa de Preservação histórico do ministério dos transportes, já em 1869 o então diretor da estrada de ferro, Mariano Procópio Ferreira Lage, registrava um grande movimento de trens pela região, variando entre 20 e 30 por dia. Com o gradativo aumento do volume de passageiros, o prédio original foi demolido e um novo construído no mesmo local.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Tendências Viagem

No dia 13/07 a estação foi entregue totalmente modernizada. Reforma do mezanino, agora com acessibilidade plena e construção de um novo, ampliação da capacidade para receber até 26 mil passageiros por dia, instalação de cinco elevadores, rampas de acesso, nivelamento das plataformas, reforma dos banheiros e modernização da iluminação.

O telhado, tombado pelo IRPH também passou por reformas, obedecendo aos critérios de restauração estabelecidos pelo órgão. A estação atende principalmente ao público que vai ao Estádio Olímpico João Havelange, SESC, Supermercado Guanabara, Hospital Memorial, Praça do Trem e aos eventos do Food Park in Rio e Samba da Feira, além de proporcionar a união com os ramais Deodoro, Santa Cruz e Japeri.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo