Estreou nesta quarta-feira (31) a produção original da Netflix: "Missão no Mar Vermelho" (Red Sea Diving Resort).

O filme é uma adaptação do livro "Turn of Mind" e é protagonizado por Chris Evans. Além de Evans, o elenco conta ainda com Haley Bennett, Michael Kenneth Williams, Michael Huisman, Ben Kingsley e Greg Kinnear.

A trama

Ari Levinson (Chris Evans) é um agente do Mossad (serviço secreto do Estado de Israel), ele lidera uma equipe que tem como missão retirar refugiados judeus etíopes do Sudão para levá-los para Israel.

O mais inusitado desta missão é que os agentes do serviço secreto israelense usaram um resort à beira do Mar Vermelho para retirar estes refugiados do Sudão e levá-los até Israel.

E para isto, os agentes tiveram que se passar por donos do resort, chegando até mesmo a receber turistas de verdade para manterem seus disfarces.

Eterno Capitão América

Chris Evans ganhou fama mundial ao interpretar o super-herói Capitão América no Universo Cinematográfico Marvel (MCU), na sigla em inglês. O ator já há muito tempo vinha demonstrando um certo cansaço com o personagem e demonstrava interesse em projetos mais ambiciosos.

Depois de sua despedida do personagem no filme 'Vingadres: Ultimato", o filme "Missão no Mar Vermelho", dirigido pelo diretor israelense Gideon Raff, parecia ser o projeto ideal para que o ator começasse a desvincular sua imagem da imagem do super-herói da Marvel Comics.

Evans ostenta os mesmos cabelos longos e barba que foram vistos na fase em que o líder dos Vingadores tornou-se um renegado na saga dos filmes da Marvel Studios.

O que pode tornar difícil para quem assiste ao filme, não lembrar de Steve Rogers.

Apesar da boa atuação de Evans, o ator não consegue transmitir toda a densidade de seu personagem.

Ari Levinson é um agente dedicado ao seu trabalho, chegando até mesmo a colocar seu casamento e a relação com sua filha em risco por causa de sua dedicação à causa de ajudar os refugiados judeus.

Ao longo do filme, é visto que isto deve-se à própria história de vida do personagem, por isto, que fica bem difícil acreditar que aquele homem com tantas cicatrizes impostas pela vida e que passa a maior parte do tempo em países atormentados pela guerra, possa ter a aparência bem cuidada do belo Chris Evans.

O filme de Gideon Raff tem a seu favor contar uma impressionante história real e mesmo que o filme se passe no início da década de 1980, a produção aborda um tema que ainda é atual, a questão da imigração.

Mesmo com estas características a seu favor, Gideon Raff falha ao querer amenizar uma história dura e de sofrimento de um povo, ao querer dar tons mais leves à trama, Raff perde a oportunidade de fazer um filme mais interessante.

Siga as suas paixões.
Fique atualizado.

Não perca a nossa página no Facebook!