Os Estados Unidos vêm em um aumento constante no número de casos de infectados pelo novo coronavírus. Fechar os estabelecimentos novamente, sem priorizar a economia, pode ser o próximo passo do país líder em casos de contágios e mortes pela Covid-19.

Gavin Newsom, governador do estado da Califórnia, deu uma freada na abertura dos estabelecimentos, que já estavam funcionando normalmente, como bares, boates, cinemas, restaurantes e vinhedos, interrompendo suas atividades.

O país, que conta com 50 estados, registra um aumento considerável de casos do novo coronavírus em, pelo menos, 35. O colapso hospitalar está próximo nos estados do Texas e do Arizona.

A Flórida está em total descontrole em relação à pandemia, chegando a registrar 15 mil casos neste domingo (12).

Nesta segunda-feira, o país se aproximou de um total de 3,3 milhões de infectados pela Covid-19 e quase 135 mil mortes, segundo o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC).

Casa Branca pressiona governadores

O governo de Donald Trump vem exercendo uma pressão sobre os governadores dos estados, pedindo que as instituições de ensino voltem a funcionar até a chegada do outono. Os governadores tentam resistir à pressão.

O principal infectologista dos Estados Unidos, Anthony Fauci, diz que o país americano não está nem próximo da contenção da pandemia do coronavírus.

Donald Trump apostou todas as fichas na retomada da economia, acreditando que o desemprego diminuiria e que o verão contribuiria para o fim do vírus.

Porém, nada disso aconteceu e, às vésperas das eleições nos EUA, a pandemia piora gradativamente.

Na manhã desta segunda-feira, Trump publicou vários tuítes. Entre seus posts, acusações a Anthony Fauci ganharam destaque. O presidente americano acusa o infectologista de estar mentindo sobre a pandemia da Covid-19, com a intenção de prejudicar a sua reeleição.

O médico que Trump insiste em acusar trabalhou com seis presidentes americanos e é autoridade no país como o profissional mais respeitado na área sanitária.

Fauci afirmou que a piora da pandemia vem acontecendo em passos largos. Apesar de Trump afirmar que a taxa de mortalidade cairia ou se manteria estável, ela aumentou, conforme previsão do infectologista.

Ainda de acordo com Fauci, as informações passadas por Deborah Birx, coordenadora da pandemia da Casa Branca, e por Mike Pence, vice-presidente, dão a entender para a população que a pandemia está controlada. Segundo o infectologista, não está.

Em um quadro semelhante ao que acontece no Brasil, Donald Trump nega os efeitos da pandemia, convocando seus apoiadores a mergulhar no abismo com ele, e mantém o discurso de que a esquerda radical destruirá os Estados Unidos. Dessa forma, ele consegue amedrontar uma parte de seu eleitorado extremamente conservador.

As fake news e a distorção da realidade, unidas ao negacionismo em relação à pandemia, marcam os últimos meses de Trump antes da eleição, que ocorre no dia 3 de novembro deste ano.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!