O cachorro enterrado vivo em um terreno na Barra de São Miguel, em Alagoas, acabou morrendo na manhã desta segunda-feira (21).

Batizado de "Dogão", o cão foi resgatado no dia 8 de janeiro, após pessoas ouvirem o som do choro do animal abaixo da terra. Ele passou a ser tratado pela ONG Projeto Acolher, mas acabou não resistindo e faleceu.

No dia do resgate, a ONG disse que o estado do animal era muito grave.

Publicidade
Publicidade

Acreditava-se que o mesmo tinha cinomose, uma doença de origem viral, porém os exames feito excluíram tal hipótese. Só que até hoje ainda não se sabia ao certo o que ele tinha, pois possuía muitas feridas e carrapatos pelo corpo.

No Instagram, a ONG chegou a relatar para os seguidores que o xixi do animal saia muito pus, tamanha a gravidade da inflamação e problemas renais que o cão possuía.

o suspeito de ter feito isso com o animal já foi indiciado pela Polícia e agora o inquérito irá ao Ministério Público.

Publicidade

O homem acusado de ter enterrado o cachorro vivo disse que em depoimento que havia enterrado o animal no dia 7, porque pensou que ele estivesse morto.

O projeto de lei que aumenta a pena para crimes de maus-tratos contra Animais foi aprovado pelo Senado Federal no fim do ano passado. O projeto de lei foi apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e ainda passará pela Câmara dos Deputados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Animais

Aprenda a denunciar maus-tratos aos animais

Maus-tratos aos animais é um crime previsto em lei federal. E o poder público é obrigado pela Constituição a coibir tais atos.

A punição para a prática do crime de maus-tratos é atualmente de três meses a um ano de cadeia e multa. E caso o animal morra, a pena pode aumentar até um terço.

O Ministério Público, porém diz que raramente estes crimes são punidos com cadeia, pelo fato de a pena ser baixa.

Sendo assim, geralmente as penas alternativas tem sido a regra, como multa e serviços comunitários por exemplo.

Algo muito difundido é obrigar o infrator a distribuir cestas básicas à ONGs, que serão escolhidas pelo juiz. As entidades escolhidas costumam ser as que lutam pela causa animal.

As decisões também englobam a prestação de serviços à comunidade, bem como a imposição de entregas de valores sejam destinadas a entidades de defesa animal, o que exige que estas ONGs sejam devidamente cadastradas perante o juizado especial criminal.

Publicidade

Algumas cidades já tem delegacias voltadas para estes casos específicos, a exemplo de São Paulo e Campinas, porém as denúncias também podem ser feitas à Polícia Militar, Polícia Ambiental, OAB e também para o Ministério Público.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo