Mais um caso de feminicídio no Brasil este ano, desta vez ocorrido no município de Sidrolândia, no Mato Grosso do Sul, que fica localizado a 70 quilômetros da capital Campo Grande. A adolescente Jhenniffer de Oliveira, de apenas 17 anos, foi assassinada. O namorado, Paulo dos Santos, que é um ano mais velho, é o principal suspeito do crime, que aconteceu na madrugada do último sábado (30), na residência que os dois partilhavam.

Segundo as declarações oficiais da Polícia, fornecidas pelo delegado Diego Dantas, Paulo usou como arma o cabo de alimentação do celular com o intuito de esganar a adolescente.

Como não obteve sucesso, recorreu a uma coleira de cachorro que possuía, ainda tentando a esganadura. Após essa tentativa, ele conseguiu sufocar Jheniffer até a morte.

Ainda segundo o delegado responsável, o assassino teria entrado em discussão com Jheniffer em um bar nas proximidades. Discussão essa que encontrou eco na residência. Segundo as declarações de Paulo, sua namorada teria, supostamente, atirado um cabo de vassoura em sua direção e, em seguida, usado uma faca de cozinha para ameaçá-lo. Teria sido a partir daí que Paulo teria perpetrado o ato de esganadura. Segundo a nota de Dantas, Paulo teria confessado o crime e ainda alegado uma suposta legítima defesa.

O jovem foi detido após a polícia adentrar a residência do casal nessa segunda-feira (1º) e encontrar o corpo da adolescente.

Ele teria dormido ao lado do corpo desde a data do crime, cometido dois dias antes.

A polícia conseguiu chegar ao corpo da adolescente após denúncia dos vizinhos. Vizinhos estes que começaram a desconfiar da morte de Jhennifer por conta do forte mau cheiro que exalava da casa dos dois.

Paulo foi preso enquanto estava perto do local onde o crime ocorreu, na tarde do dia primeiro.

O jovem responderá pelo crime de feminicídio, agravado pelo crime de ocultação de cadáver.

Defensoria pública deve assumir defesa do suspeito

Paulo não possui advogado disposto a representá-lo no caso, por isso, ele ficou sob a responsabilidade da defensoria pública.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!