E mais uma vez um apoiador do Governo de Jair Bolsonaro acena com a possibilidade da volta do AI-5 (Ato Institucional n° 5). Anteriormente, um dos filhos do presidente Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, já havia dado polêmica declaração em que dizia que se a esquerda radicalizasse nas manifestações, poderia haver uma volta da medida que fora implementada na época da ditadura. Desta vez foi o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem deu declaração semelhante.

Em evento realizado nos Estados Unidos, o ministro relatou que o motivo de as reformas do governo estarem caminhando de forma lenta é para prevenir-se de manifestações de rua.

A velocidade das reformas conduzidas pelo governo seriam uma determinação de Jair Bolsonaro, segundo Paulo Guedes. A entrevista coletiva do ministro durou quase duas horas na noite da última segunda-feira (25).

O ministro Paulo Guedes se exasperou quando comentou a fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recém-liberto da prisão. Guedes afirmou em Washington que o discurso de Lula podem levar ao acirramento das ações do governo de Jair Bolsonaro.

Ato Institucional Nº 5

O Ato Institucional Nº5, foi um instrumento da ditadura militar editado em 1968.

Esta medida fechou o Congresso Nacional e cassou liberdades individuais. Guedes relembrou a fala de Eduardo Bolsonaro, que no fim do mês de outubro afirmou poder haver a necessidade de reeditar o AI-5 em caso de radicalização da esquerda.

Lula pronunciou-se sobre a fala do ministro da Economia na manhã de terça-feira (26) em seu Twitter. Na rede social o petista defendeu o PT (Partido dos Trabalhadores) e afirmou que Jair Bolsonaro (sem partido) tem "ojeriza à democracia". A mensagem do petista foi publicada horas depois da fala do ministro da Economia.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Lula

Em sua colula noUOL, o jornalista Chico Alves comenta que “declarações tão abjetas” precisam ser rebatidas pelas instituições de forma enérgica, assim como ocorreu quando o Eduardo Bolsonaro fez ameaças à democracia em entrevista ao canal da jornalista Leda Nagle no YouTube.

O colunista ressalta o fato de que Paulo Guedes tem uma credibilidade que Eduardo Bolsonaro não tem, segundo Alves, a fala de Guedes torna-se ainda mais grave, sendo possível até mesmo em pensar na destituição do ministro, atitude essa que o colunista não acredita que Bolsonaro fará.

Tanto a fala de Eduardo quanto a de Paulo Guedes mostram uma preocupação com possíveis manifestações de rua, então o colunista reflete e diz que se manifestações feitas em um passado recente contra a ex-presidente Dilma Rousseff e seu sucessor na presidência Michel Temer foram encaradas como um processo normal, dentro da democracia.

O jornalista questionou qual seria o motivo de ser diferente agora.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo