Provavelmente, o agente da Polícia Federal Jorge Chastalo, 46 anos, nunca tenha imaginado que algo assim fosse acontecer em sua vida.

O policial federal, que é conhecido como "Rodrigo Hilbert da PF", ganhou a atribuição de ser o chefe da escolta dos presos da Operação Lava-Jato em Curitiba.

Chastalo ficou como o responsável por controlar a entrada e saída de advogados, familiares e políticos que iam visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também era quem acompanhava o petista em audiências e entrevistas.

Jorge Chastalo cogita escrever um livro em que contará suas impressões sobre a convivência diária que teve com uma das figuras mais importantes da política brasileira --foram 580 dias com o ex-presidente Lula.

O "Rodrigo Hilbert da PF" garante que a convivência com o político tornou-se amizade e agora ele tem planos de registrar estas memórias em livro.

Como publicado no jornal O Globo desta última terça-feira (19), o agente relata que esta foi uma ideia do escritor cubano Leonardo Padura. O escritor é o autor do livro de grande sucesso "O Homem Que Amava os Cachorros", que vendeu no Brasil mais de 50 mil exemplares.

Padura é considerado um dos maiores escritores cubanos da contemporaneidade. O romancista visitou Lula no dia 15 de agosto.

Ao término da visita, ele conversou por volta de 10 minutos com o agente e falou que ele, Chastalo, tinha a obrigação de registrar a convivência com o ex-presidente, pois o policial era uma testemunha da história.

Escrever ou não escrever

Chastalo afirma que se preocupa com as questões legais que pode enfrentar se escrever um livro sobre Lula.

O policial afirma que ainda não tratou sobre esta possibilidade com o próprio Lula.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato Lula

Jorge Chastalo diz ainda que tem sido cobrado por muitas pessoas que querem que ele escreva o livro.

Até mesmo seus colegas policiais, e também amigos do Judiciário, garante o policial da Polícia Federal.

Porém, ele diz que não quer se aproveitar da situação e que precisa ser o mais profissional possível.

Caso o livro realmente seja escrito, não faltarão histórias para serem contadas. O agente da lei afirma que o convívio diário com Lula rendeu uma troca de impressões sobre diversos temas, principalmente sobre política.

'Mais de direita'

Assim se autodefine Jorge Chastalo, mas ele afirma que a convivência com o ex-presidente fez com que reavaliasse certas posições.

Agora, ele garante que consegue enxergar pontos positivos tanto na esquerda quanto na direita. O policial, entretanto, nega-se a dizer se Lula influenciou seu voto em 2018.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo