Na véspera da data em que completaria 30 anos de idade, uma mulher foi morta estrangulada na madrugada desta quinta-feira (30), em Dracena, na região de Presidente Prudente, no interior de São Paulo.

O suspeito de ter cometido o feminicídio é o ajudante geral Adenílson Manoel da Costa, de 31 anos, que seria ex-companheiro da amiga da vítima. Ele confessou a autora do crime e foi preso em flagrante.

Apesar de o crime ter acontecido durante a madrugada, a Polícia Militar foi acionada somente por volta das 10 horas da manhã, mas para atender a uma ocorrência de briga no local.

Ao chegarem na casa os policiais se depararam com o suspeito dormindo no sofá. Ele se assustou com a movimentação e tentou fugir, mas foi detido em outro imóvel.

Rigidez cadavérica

O corpo de Lucineia Francisca de Oliveira foi encontrado em um dos quartos da casa. Ele estava ensanguentado e já apresentava sinais de rigidez cadavérica, o que indica que a vítima havia morrido já há algum tempo.

Na casa também estava a amiga da vítima, identificada apenas como Fabiana. Ela prestou depoimento, quando infirmou que faziam uns dias que havia rompido seu relacionamento com o suspeito e que ela e Lucineia moravam juntas.

Ela contou ainda que os três se encontravam na casa na noite anterior e houve uma discussão entre Lucineia e Adenílsoin. O homem teria tentando agredir a Mulher e Fabiana decidiu deixar a casa. Quando retornou, sua amiga já estava morta.

Após prestar depoimento Fabiana foi liberada, mas deverá ser chamada em outra ocasião para prestar novos esclarecimentos. Já o acusado deverá passar por audiência de custódia nesta sexta-feira (31).

Foram solicitados exames necroscópicos no corpo da vítima e periciais no local do crime. O objetivo é saber como a vítima foi morta e se houve a participação de outras pessoas no assassinato.

A ocorrência foi registrada no 1º Distrito Policial de Dracena.

Versão contestada

Sob a condição de ter sua identidade mantida em sigilo, uma pessoa próxima da vitima contestou a versão dada por Fabiana na delegacia e acredita que o crime possa ter sido premeditado.

Segundo essa pessoa, as duas eram amigas e o crime aconteceu na casa de Fabiana, que poderia ter evitado que a vítima fosse morta. “Ela (Fabiana) teve como ajudar, não ajudou porque não quis”, disse ao portal UOL.

A pessoa disse ainda que Fabiana e o ex-companheiro ficaram sentados de manhã em frente a casa como se nada tivesse acontecido e só de manhã que acionaram a polícia.

Ela também desmentiu a versão de que a vítima morava junto com Fabiana, uma vez que era casada e tinha filhos, além de morara com a mãe. Segundo essa pessoa próxima, Lucineia foi atraída até o local do crime. “Eles fizeram ela ir até lá”, disse.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!