Recentemente, o atual governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), decidiu manifestar seu repúdio com as recentes declarações realizadas por atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), em relação ao coronavírus. O político classificou a pandemia internacional como uma “gripezinha”. No momento, as ocorrências de infecção no Brasil chegaram aos mil casos e, vendo o poder de contágio da doença, o governante paulista afirmou que Bolsonaro não está contribuindo com a contenção do vírus no país.

"É muito triste que não tenhamos um presidente que possa liderar os ministros e secretários nessa crise", disse o governador.

Toda essa polêmica veio depois que Jair Bolsonaro, em uma entrevista, falou sobre os testes que se submeteu sobre a detecção do coronavírus. Mesmo não mostrando os exames para o público, o político afirmou que todos eles realizados deram negativo.

Não parando por aí, Bolsonaro ainda afirmou que uma “gripezinha” não será capaz de derrubá-lo, pois, em tempos passados, sobreviveu até mesmo de uma facada.

As palavras proferidas pelo presidente geraram irritação em Doria.

Após decretar quarentena, Doria alfineta Bolsonaro

As alfinetadas entre os políticos prosseguem. Jair Bolsonaro, recentemente, afirmou que os governadores e prefeitos, no momento, estão realizando medidas alarmistas contra o coronavírus, definindo tais atitudes como desnecessárias. Doria, ouvindo as falas do presidente, ressaltou que os políticos apenas estão cumprindo aquilo que Bolsonaro não é capaz de fazer.

A coletiva no qual João Doria decretou quarentena em todo o estado paulista, foi marcado por alfinetadas para o presidente.

Em dado momento, a máxima autoridade estadual foi perguntada sobre o que achava das recentes declarações de Bolsonaro, denominando que o coronavírus era “só uma gripezinha”. O governador revelou que sentiu “decepção e tristeza”.

“Como governador de estado gostaria de ter um presidente que liderasse.

Em condições de orientar os brasileiros, acalmar os brasileiros, liderar sua equipe e atenda as expectativas da população”, disse ainda.

A inimizade entre os dois políticos é algo recente. Durante as Eleições ocorridas no ano de 2018, ambos chegaram até mesmo a formar uma aliança estratégica, mesmo que não oficial. A parceria entre os políticos foi denominada de Bolsodoria.

Não perca a nossa página no Facebook!