Em meio à pandemia da covid-19, muitas medidas emergenciais estão sendo tomadas no Brasil. Na última quinta-feira (9), a Justiça do Rio de Janeiro determinou que a Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, liderada pelo pastor Silas Malafaia, não realize cultos durante esse período de proliferação do coronavírus. A decisão é do desembargador Agostinho Teixeira, do Tribunal de Justiça do RJ, que acolheu recurso do Ministério Público.

Segundo Agostinho, a fé é necessária na vida do ser humano, mas ressaltou que neste momento o isolamento social deve ser adotado. O intuito é evitar que mais pessoas sejam infectadas com o vírus.

"Penso que, nesse estado de crise, sem precedentes, as igrejas também devam suspender as suas atividades presenciais, resguardando assim a Saúde e o direito fundamental à vida", determinou o desembargador. Sobre essa decisão, o pastor da igreja evangélica não se pronunciou. O Brasil apresenta 1.141 mortes e mais de 20.964 casos confirmados do coronavírus.

Bolsonaro e covid-19

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) informou pelas suas redes sociais uma medida diferente de combater o avanço da covid-19. Tendo o apoio de entidades religiosas evangélicas e católicas, o presidente fez um jejum religioso. Segundo Bolsonaro, o intuito seria aproximar os brasileiros de Deus nesse momento de proliferação do vírus que já vitimou milhares de pessoas em todo o mundo.

Apesar de ser uma medida diferenciada, no dia, muitas pessoas foram favoráveis a atitude do presidente. Por outro lado, pelas redes sociais, muitas pessoas foram contrárias à ideia de Bolsonaro, tendo em vista que ele deveria colocar em prática outros meios para coibir o avanço do vírus, tendo como exemplo um maior isolamento social, pois muitas pessoas continuam exercendo normalmente atividades profissionais.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!