O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, realizou uma nova entrevista coletiva na tarde deste domingo (3). Ele argumentou sobre os novos problemas relacionados à pandemia do novo coronavírus, que continua afetando milhares de pessoas.

De acordo com informações do portal G1, Crivella informou que os próximos dias serão difíceis para as pessoas que residem no Rio. "Essa semana é a que mais nos preocupa, é a que mais nos preocupa. Por quê? Porque se acelerou o número de contágio e as pessoas precisando dos hospitais. Nós aguardávamos, já há bastante tempo, ajuda de outros entes, o que até agora não ocorreu (...) Essa semana para nós talvez seja a semana mais decisiva, mais difícil, a mais angustiosa'', disse Crivella durante a coletiva de imprensa.

Apesar dos problemas ocorrendo na cidade, o prefeito informou que não é possível afirmar se a cidade está no pico da curva da doença.

Marcelo Crivella e máscaras

Semanas atrás, o prefeito informou que o uso das máscaras serão obrigatórias para quem pega transportes públicos. Ele informou que os transportes públicos só irão se deslocar se todos os ocupantes estiverem adequadamente protegidos. Crivella também informou que multas poderão ser aplicadas para aquelas pessoas que insistirem ir sem o equipamento de saúde nos transportes públicos.

Para ajudar aquelas pessoas que não têm condições financeiras, a prefeitura irá distribuir máscaras cirúrgicas em locais de mais fluxo de pessoas, tendo os pontos de ônibus como exemplo.

Rio de Janeiro

O Ministério da Saúde atualiza diariamente os vitimados do novo coronavírus. De acordo com os últimos levantamentos, foram registrados 1.019 mortes e 11.139 casos da doença foram confirmados. Referente as vítimas fatais, a maioria são aquelas que se enquadravam no grupo de risco.

Restrição

Nesse período de quarentena, algumas restrições foram tomadas por entidades governamentais. Policiais militares estão reforçando praias da cidade para evitar a proliferação do coronavírus.

Além disso, muitos shoppings e comércios encontram-se fechados por tempo indeterminado. Outras formas de restrições estão sendo estudadas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!