Entusiastas e estudiosos de astronomia, além de poetas e casais românticos que gostam de olhar para o céu, possuem mais um motivo para fixar suas miradas para cima.

Se você não é tão ligado ao assunto, sinta-se privilegiado, pois a Nasa descobriu em março deste ano, um novo cometa que visita a Terra neste momento.

Primeiramente foram os habitantes do Hemisfério Norte que puderam ver o cometa Neowise. Agora, dando prosseguimento ao espetáculo, será a vez do Hemisfério Sul poder curtir esse maravilhamento do Universo.

No entanto, a denominação do achado astronômico possui um nome oficial (isto é, do ponto vista técnico) menos simpático e recebeu uma série de letras e números.

Seu nome verdadeiro é C/2020 F3. As causas do “batismo” serão explicadas no fim desta matéria.

Como a descoberta iria abranger uma grande faixa de visualização pelo planeta, os astrônomos da Nasa acharam melhor denominar o tal C/2020 F3 de Neowise, já que é o nome do telescópio que o identificou. Fica melhor até para nós, terráqueos e simples mortais.

Para o Brasil

O cometa Neowise deu o ar da graça nas regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil. Em sua última semana de exibição, será a vez do Sudeste e do Sul vê-lo. A partir de hoje, 26/07 até o dia 30/07, os moradores dessas duas regiões brasileiras poderão apreciá-lo na linha do horizonte. Entre o fim da tarde e o início da noite à direita do pôr-do-sol.

Cientistas mencionam que, para a eficácia de sua visualização, entram alguns fatores como condições atmosféricas, o brilho da Lua e a composição do cometa.

Mesmo assim, não dá para perder a esperança: desde que não haja grande concentração de edifícios e prédios e baixa luminosidade artificial, astrônomos brasileiros afirmam que em lugares montanhosos há boas chances de ver o Neowise.

Moradores, por exemplo, do sul de Minas Gerais e de cidades paulistas como Serra Negra e Águas de Lindoia saem na frente.

Olhando para cima

Para localizar o cometa, esteja pronto entre 18h e 18h30, busque a posição noroeste e foque bem perto do horizonte. Caso tenha dificuldade, aplicativos como “Starchat”, “Skywalk” ou “Stellarium” podem ajudar você.

Equipe-se de um binóculo astronômico, mas alguns asseguram que o Neowise poderá ser visto a olho nu; isso se não houver grande concentração de nuvens nem precipitação de chuvas.

É uma oportunidade ímpar de apreciar o Neowise, pois a próxima circulação dele pela órbita terrestre ocorrerá daqui a 6.765 anos. Este é o período em que o cometa desenvolve completamente a sua trajetória pelo Universo.

Ficha técnica

Uma definição bem objetiva do que são cometas é de que eles são uma bola de gelo sujo, compostos por poeira cósmica, partículas de rocha e gases congelados em seu núcleo. Eles têm dois tipos de cauda, criadas quando se aproximam mais do Sol. Uma delas possui a coloração que varia entre o azul e o roxo.

A outra, mais larga do que a primeira, apresenta um tom amarelado.

Em sua “certidão de nascimento” consta o porquê de ser C/2020 F3, conforme os parâmetros técnicos em vigência:

C: período de órbita longo (maior que 200 anos);

2020: ano em que o cometa foi descoberto;

F: a quinzena em que foi descoberto. Neste caso, foi a sexta quinzena do ano. F é a sexta letra do alfabeto;

3: é o número de descobertas efetuadas durante esta mesma quinzena.

Siga a página Natureza
Seguir
Siga a página Tecnologia
Seguir
Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!