O Supremo Tribunal Federal (STF) começa a debater nesta quarta-feira (13), em Brasília, a criminalização da homofobia e da transfobia, julgando duas ações específicas que visam a retomada do Projeto de Lei 122/2006.

As ações são movidas pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) e pelo Partido Popular Socialista (PPS), defendidas pelo advogado Paulo Iotti e protocoladas em 2012 e 2013, respectivamente.

Publicidade
Publicidade

A Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) nº 26, movida pelo PPS, pede que o Supremo declare o Congresso Nacional omisso por não ter julgado o Projeto de Lei que criminaliza a homofobia, apresentado ainda em 2006.

A base para argumentação de Iotti, doutor em Direito Constitucional, é o artigo 5º da Constituição Federal, que dispõe sobre a igualdade dos sujeitos perante a lei. No inciso XLI, consta que a lei deve punir "qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais".

Publicidade

Assim, a legislação sobre a discriminação de pessoas LGBT deve ser feita pelo Congresso, que tem se omitido, segundo o advogado, por "má vontade institucional".

A ideia é que homofobia e transfobia possam ser enquadradas na lei antirracismo, como adendos. O precedente, segundo Iotti, é um julgamento realizado pelo STF em 2003, quando definiu o antissemitismo como um tipo de racismo. Na sentença, especificou-se que "toda ideologia que prega superioridade/inferioridade de um grupo relativamente a outro" poderia se enquadrar na lei.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo LGBT

Entenda as demandas de criminalização

Populações consideradas vulneráveis, por sofrerem cotidianamente algum tipo de violência, precisam de proteção do Código Penal, como é o caso das mulheres e dos negros. LGBTs, contudo, ainda não têm tipificação dos crimes de homofobia e transfobia, o que faz com que agressões contra essas pessoas não tenham punição garantida por lei.

Hoje, quem é ofendido ou assediado verbalmente por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero precisa registrar o crime como injúria.

No caso de haver agressão, registra-se como lesão corporal. A denúncia, portanto, fica sujeita a uma interpretação subjetiva (do policial e do promotor) para que seja acatada.

A violência e o assassinato motivado por ódio a homossexuais e a transexuais é uma realidade que precisa ser reconhecida institucionalmente. A ONG Transgender Europe alerta que o Brasil é o país em que mais LGBTs são assassinados no mundo a cada ano. De acordo com relatório do Grupo Gay da Bahia, foram 420 homicídios reportados em 2018.

Publicidade

Além disso, o mercado de trabalho continua a excluir pessoas transgêneras simplesmente por serem como são e, como resultado, muitos recorrem à prostituição.

Pressão de conservadores

Um dos motivos pelos quais a votação da PL 122 vem sendo adiada desde 2006 é a recusa, por parte de conservadores, de reconhecerem a existência da homofobia e da transfobia. Para a bancada evangélica, principalmente, considerar que pessoas LGBTs são "anormais" ou "aberrações", por exemplo, não é manifestação de preconceito.

Publicidade

Segundo matéria publicada nesta terça-feira (12) no jornal O Estado de S. Paulo, deputados evangélicos solicitaram uma audiência com o presidente do STF, Dias Toffoli, para pedir que a pauta seja retirada. Desde segunda, a bancada tem compartilhado nas redes sociais, uma imagem em que se lê "NÃO À ADO 26", alegando que esta colocaria fim à liberdade de expressão e à liberdade religiosa.

A ação, contudo, em nenhum momento cita quaisquer manifestações religiosas. A liberdade de exercer a religião, inclusive, é garantida pela Constituição Federal. O único problema seria fazer uso da fé ou da liberdade de expressão para promover discriminações e ódio contra determinados grupos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo