O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, chegam nesta quarta-feira (13) a Tiriós, no Pará, para debater a agenda governamental com líderes locais.

Os planos do atual governo incluem a construção de uma ponte na cidade de Óbidos, que passará sobre o rio Amazonas, de uma hidrelétrica em Oriximiná e também a extensão da BR-163 até a fronteira com o Suriname.

A ponte ligando as margens do rio e as obras na rodovia serviriam para escoamento de produtos agrícolas do Centro-Oeste, bem como integraria a região Norte ao restante do país (a rodovia, construída na década de 1970, vai do Rio Grande do Sul ao Pará). A hidrelétrica, por sua vez, forneceria energia para a Zona Franca de Manaus e proximidades, com o objetivo de reduzir o número de apagões.

Bebianno fez referência ao Calha Norte, projeto do Governo de José Sarney (1985-1990), que pretendia fixar a presença militar na região.

Segundo ele, o plano seria uma retomada deste projeto e que já estão realizando um mapeamento do local.

Curiosamente, o envio dos representantes se dá logo após a imprensa noticiar que a Igreja Católica estaria sendo monitorada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O chefe do Gabinete de Segurança Internacional (GSI), general Augusto Heleno, chegou a declarar sua intenção de neutralizar a influência de um "clero progressista" na região Norte.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

A preocupação do GSI se deve à realização do Sínodo da Amazônia, em outubro, no Vaticano. No evento, que reúne bispos de todo o mundo, será discutida a situação dos povos indígenas e quilombolas que vivem na região amazônica, bem como a nova política de evangelização.

Negando qualquer ação de espionagem, o Gabinete divulgou, em nota, que o evento poderia interferir em assuntos internos, cabendo ao Brasil a gestão da Amazônia. Militares alegam que há "pressão globalista" para que não sejam realizadas obras na região.

Apreensão

A ida dos ministros Ricardo Salles e Damares Alves se dá visando a redução de eventuais ataques por parte de ativistas, segundo apuração do jornal O Estado de S. Paulo, uma vez que a segurança será ampliada. Desde a eleição de Bolsonaro, ambientalistas têm se mostrado apreensivos e pessimistas com as medidas que poderão ser tomadas em relação ao meio-ambiente.

Em sua conta no Twitter, Sonia Guajajara, que concorreu à vice-presidência pela chapa do PSOL, alertou para o desejo do governo de impor seus planos o mais rápido possível.

A pretensão de industrializar a região amazônica em detrimento das leis ambientais já havia sido claramente apontada por Jair Bolsonaro durante sua campanha eleitoral.

Sob a justificativa de ocupar o local para estimular o mercado, o governo desenhou um plano que irá afetar reservas ambientais e territórios indígenas na área de Santarém. A agenda ambientalista é vista por Bolsonaro e por seus ministros como um entrave ao agronegócio e ao desenvolvimento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo