Neste domingo (5), o presidente Jair Messias Bolsonaro afirmou aos jornalistas que, em breve, viajará aos Estados Unidos. Ele fez a afirmação após ter sido questionado se a desistência de sua viagem ao país estava relacionada às críticas e comentários feitos pelo prefeito de Nova York, Bill de Blasio. Como resposta, ele afirmou duas vezes que iria aos Estados Unidos.

O presidente não deixou claro se a viagem aos EUA seria destinada à homenagem que foi cancelada anteriormente, ou se seria apenas uma nova viagem com outros fins.

Bolsonaro cancela viagem

Na última sexta-feira (3), a Secretaria de Comunicação Social informou que Bolsonaro decidiu desistir da viagem que faria aos Estados Unidos da América. O intuito da viagem seria receber homenagens da Câmara de Comércio Brasil-EUA, entretanto, após críticas do prefeito de Bill de Blasio, Bolsonaro teria optado por cancelar a viagem.

O prefeito chegou a comemorar a desistência da viagem de Bolsonaro, e, de forma irônica, afirmou que “valentões não resistem ao serem pressionados". Ele disse ainda que os nova-iorquinos não “fecham os olhos” para formas de opressão, e que usou a mesma forma de intolerância, que, segundo ele, é defendida por Bolsonaro em seus discursos.

Ainda nas redes sociais, o prefeito Bill de Blasio disse que não é a favor dos ataques de Bolsonaro em relação aos direitos LGBTQ, e enfatizou a importância de lutar contra líderes que têm planos com foco de destruição do nosso planeta, combatendo o ódio.

Antes da desistência da viagem de Bolsonaro, o prefeito nova-iorquino já havia manifestado sua indignação e não-aceitação da cerimônia de homenagem ao presidente. Após chamar Bolsonaro de “ser humano perigoso”, o prefeito pediu para que os locais não aceitassem receber o presidente. Em consequência disso, lugares que estavam decididos a patrocinar o evento optaram por desistir de receber o presidente.

Nas palavras do prefeito de Nova York, o ato de fechar as portas para Bolsonaro representaria uma forma de protesto contra algumas ideias defendidas por ele em seus discursos.

Mourão rebate críticas de prefeito de Nova York

Após os comentários irônicos realizados pelo prefeito nova-iorquino, o Planalto optou por não se manifestar sobre a situação.

Entretanto, no último sábado (4), o vice-presidente, General Hamilton Mourão usou sua conta no Twitter para rebater os comentários feitos pelo prefeito.

Na publicação, Mourão afirmou que o prefeito havia atacado não só Bolsonaro, mas o Brasil inteiro, e chamou o prefeito de "ufano". Ele disse ainda que o prefeito não conhecia Jair Bolsonaro para fazer tais críticas.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Siga a página Curiosidades
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!