No próximo domingo (26) estão previstas para ocorrer manifestações em apoio ao presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. Apoiadores das manifestações estão usando as redes sociais para divulgar os atos e conseguir um número maior de adeptos.

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, líderes ligados ao movimento evangélico e aos caminhoneiros estão apoiando a ocorrência das manifestações, entretanto, há algumas divergências entre apoiadores.

Publicidade
Publicidade

Há grupos de manifestantes que defendem movimentos radicais, como fechar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, mas os lideres evangélicos e os caminhoneiros não concordam com estas pautas.

Além dos líderes evangélicos e da categoria dos caminhoneiros, o presidente está contando com o apoio de quase a metade do PSL, que tem utilizado as redes sociais para fazer convocação aos manifestantes.

Manifestações pró-Bolsonaro serão no domingo (26)

Os atos pró-Bolsonaro estão previstos para ocorrer em ao menos 60 cidades, nas capitais do país e no Distrito Federal.

Publicidade

Nas páginas que divulgam os atos pedem para que os manifestantes usem a camisa verde-amarelo.

Os objetivos dos atos consistem em apoiar o presidente e as suas pautas. Dentre elas, a da reforma da Previdência, a Medida Provisória 870, que permite reorganizar a estrutura do Governo e está ameaçada, pois pode perder o prazo de validade, e o pacote anticrime proposto pelo ministro Sergio Moro.

Além desses objetivos, há alguns grupos que pretendem enfrentar o Centrão e defendem à criação da CPI da Lava Toga, e pedem o impeachment de Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes e Dias Toffoli, ministros do Supremo Tribunal.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Líder de caminhoneiros apoia manifestações

O líder de caminhoneiros Wanderlei Alves, conhecido popularmente como Dedéco, disse que a categoria está apoiando os atos pró-governo.

Há um ano, a categoria dos caminhoneiros paralisou o país por dez dias devido à insatisfação com o preço do óleo diesel. A greve dos caminhoneiros, que ocorreu em maio do ano passado, ampliou ainda mais a crise no governo Michel Temer.

De acordo com o líder dos caminhoneiros, há uma grande parcela da categoria que votou em Bolsonaro nas eleições e que também está apoiando às manifestações.

Para ele, o Congresso Nacional está impedindo a aprovação das principais pautas que foram propostas por Bolsonaro.

“Não estou apoiando o presidente, mas a governabilidade do país. Eu percebo que o Congresso Nacional está travando muito as pautas do governo. O Brasil está parado por falta de governabilidade”, disse Dedéco.

Wallace Costa Landim, outro líder da greve dos caminhoneiros, também apoia os atos de domingo, mas pontuou que é importante perceber se isto irá realmente ajudar o país.

Publicidade

"O Brasil está parado e não podemos ser um fator a mais de instabilidade", disse Wallace.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo