A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (5) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita a interferência do Poder Executivo no Orçamento Nacional. Porém, parte da PEC voltará ao Senado para uma nova apreciação.

Denominado como Orçamento Impositivo, o que a Câmara concordou em dois turnos foi a possibilidade de que os grupos políticos estaduais apresentem suas propostas e suas emendas, obrigando o cumprimento do conteúdo previsto nelas.

O que muda?

Na prática, o que apenas era prerrogativa dos congressistas de Brasília passará a dar mais poder e liberdade para os legislativos estaduais.

A consequência imediata é um movimento de balança: se, por um lado, os políticos estaduais terão maior barganha e participação, por outro lado, diminui a influência do Executivo em dar seus palpites no Orçamento da União.

Outro ponto importante que a PEC aprovada contempla é o fato de que toda despesa/investimento apresentados e previstos deverão ser cumpridas.

Tudo isso explica a adoção do "Impositivo" na nomenclatura oficial.

Fazendo os cálculos, o Governo não contará com cerca R$ 7,3 bilhões, já que este valor terá que ser destinado ao atendimento das emendas coletivas. Para o ano que vem, a fatia do gasto obrigatório saltará para R$ 9,5 bilhões.

Mecanismo

O funcionamento dentro do Congresso Nacional consiste em apresentar modificações por meio de emendas durante o período de discussão do Orçamento do ano seguinte.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Por exemplo, se um grupo de deputados estaduais concordarem na construção de uma escola, eles precisam criar uma emenda e mostrá-la à respectiva bancada estadual para inclusão no Orçamento. Se o pedido vem de São Paulo, há que se apresentar à bancada congressista de São Paulo. Se for de Tocantins, deve-se apresentá-la à bancada tocantinense do Congresso.

Até o ano de 2017, o sistema era diferente: o atendimento às emendas ficava à mercê das negociações entre deputados e senadores e o Poder Executivo.

Uma das exigências descritas na PEC diz respeito ao uso da verba prevista pelas emendas de bancadas. Caso a realização de uma obra ou projeto se estenda por mais de um ano, será obrigatório que a bancada apresente emendas a cada ano até que se conclua/finalize o empreendimento.

Em relação ao trâmite, as emendas constitucionais –o que inclui a PEC–, quando aprovadas, não precisam passar pelo veto ou sanção do Executivo. Basta apenas a promulgação do Senado.

Maiores fatias

O conteúdo da PEC discorre que haverá aumento gradual do sistema do Orçamento Impositivo nos próximos anos. Parte da Receita Corrente Líquida será voltada para atender as emendas coletivas. O percentual inicial fixado é de 0,8% para o ano que vem e, posteriormente, sobe para 1% a partir de 2021. A Receita Corrente Líquida é composta pelo total arrecadado em impostos, taxas e outras fontes de renda, descontando-se o que é transferido para os estados e o que é pago de dívida interna.

Contramão

O Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, comemorou a aprovação da PEC, enquanto os maiores derrotados foram a equipe econômica e o ministro Paulo Guedes, que defendem a desvinculação e desobrigação dos gastos orçamentários.

A medida também tolhe a liberdade de o Governo Federal na maneira de gastar os recursos públicos. As denominadas despesas obrigatórias englobam gastos com pessoal e Previdência e, segundo informações, comprometem 90% do Orçamento de 2019. As não-obrigatórias, que abrangem investimentos, por exemplo, vêm encolhendo nos últimos anos, de acordo com o Tesouro Nacional.

Leite derramado

Para analistas, o Congresso acendeu um sinal de alerta ao Palácio do Planalto, pois não é segredo que as tensões entre os dois Poderes deixaram rusgas e cicatrizes pelo caminho. É evidente que o ritual de votação na Câmara foi curto: incluída no final de março, as duas sessões para aprovação foram bem céleres.

Reconhecendo que não teria como resistir, até o próprio partido de Jair Bolsonaro foi orientado a votar a favor do Orçamento Impositivo. No intuito de se evitar uma derrota humilhante e de não enfrentar uma situação constrangedora dentro do Congresso, os representantes do PSL aceitaram a movimentação da maioria e cederam à formalidade.

É bom lembrar que o presidente Jair Bolsonaro, quando exercia o cargo de deputado, era amplo defensor do Orçamento Impositivo. A balança pende realmente para o lado do Congresso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo