Na madrugada desta segunda-feira (1°), foi organizado protesto na Câmara dos Deputados por agentes da Polícia Civil e Polícia Federal contra a reforma da Previdência. Os agentes de segurança chamavam o presidente Bolsonaro de “traidor”.

Um grupo de parlamentares do PSL, partido do presidente da república Jair Bolsonaro, ocupou o salão verde da Câmara e protestou contra a não-inclusão do abrandamento das regras para aposentadoria de policiais civis e federais no relatório da Previdência.

Sentados no chão do salão verde da Câmara dos Deputados, parlamentares e policiais gritavam “Bolsonaro Traidor”. O vídeo que mostra a cena foi rapidamente divulgado nas redes sociais.

Os protestos foram de iniciativa da bancada de segurança (mais conhecida com a bancada da bala). Estes parlamentares do PSL podem deixar a votação, caso as reivindicações não sejam atendidas.

Diante deste impasse, o PSL avalia a possibilidade de liberar o voto da bancada no plenário da Câmara, caso um acordo são seja viabilizado. De acordo com a coluna Mônica Bergano, da Folha de S.Paulo, dos 52 deputados do PSL, 22 deles podem votar contra a reforma da Previdência.

Comissão da reforma da Previdência

Comissão da reforma da Previdência marcou para esta quarta-feira (3) sessão com coordenadores de bancadas para definir os próximos passos da tramitação da proposta da reforma da Previdência. A partir desta decisão, poderá ser também decidido o calendário de votações da proposta.

De acordo com o presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), caso haja acordo, a sessão de votação do texto pode ocorrer nesta quarta.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Marcelo Ramos declarou que não há como votar sem ter a segurança da garantia de votos para a aprovação da matéria. Enquanto os partidos tiverem questionamentos, não haverá votação, pois, ele considera que é preciso ter segurança e responsabilidade com o futuro do país.

Moro na Câmara

A semana começou agitada para o Governo. Além da manifestação organizada pelos parlamentares do partido do presidente contra a reforma, houve também a sabatina na Câmara dos Deputados com o ministro da Justiça Sergio Moro a respeito das conversas que foram divulgadas pelo site The Intercept Brasil, no período em que o ministro atuava como juiz federal e integrava a força-tarefa da Lava Jato.

O ex-juiz afirmou que as mensagens vazadas pelo site The Intercept Brasil podem ser autênticas, mas ressaltou que “palavras podem ser inseridas” e que o conteúdo obtido pelo site pode ter sido “parcial ou totalmente adulterado”.

A audiência encerrou após o questionamento do deputado Glauber Rocha (PSOL-RJ), quando Moro deixou a sessão aos gritos de "fujão" dos parlamentares.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo