A juíza Carolina Lebbos acatou o pedido da Superintendência Regional da Polícia Federal em Curitiba para que o ex-presidente Lula seja transferido para uma unidade prisional no estado de São Paulo. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (7). De acordo com a decisão de Lebbos, a transferência do ex-presidente não garante recolhimento em uma sala de Estado-Maior, o que significa que Lula poderá ocupar uma cela coletiva.

Lebbos afirmou que ficará sob a responsabilidade da Justiça Federal de São Paulo decidir onde o ex-presidente continuará cumprindo sua pena.

Lula cumpre pena de 8 anos e 10 meses de prisão após condenação no caso do tríplex em Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato.

A data da transferência de Lula ainda não foi estabelecida. Para embasar o pedido, a PF do Paraná alegou dificuldades em manter o ex-presidente no local, dificuldades estas relacionadas à rotina alterada após a chegada de Lula.

Problemas alegados pela PF de Curitiba

Segundo o portal G1, a Superintendência Regional da PF de Curitiba alegou uma série de infortúnios após a chegada do ex-presidente na unidade desde abril do ano passado.

O órgão mencionou que devido à presença de Lula, os agentes de segurança precisam atuar de forma permanente a fim de evitar possíveis confrontos entre grupos rivais, e que por este motivo, a rotina do estabelecimento prisional teria sido alterada.

A corporação afirmou, ainda, que as instalações possuem algumas limitações para detentos de longa permanência. A Polícia Federal ainda mencionou os gastos, o uso de recursos humanos e as demandas que envolvem agentes e outras instituições envolvidas, fatos que seriam minimizados com a transferência do petista.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Lula

O pedido da PF ainda alega que a tranquilidade ao estabelecimento e o livre direito de circulação poderiam ser retomados pelos moradores e por pessoas que precisam frequentar a unidade prisional a fim de resolver alguma demanda. Na decisão que autorizou a transferência de Lula, a juíza Carolina Lebbos determinou que seja preservada a "integridade física, moral e psicológica do preso, bem como sua imagem". Lebbos também proibiu o uso de algemas sem necessidade.

Defesa de Lula e MPF

Tanto a defesa do ex-presidente quanto o Ministério Público Federal (MPF) não concordaram com a transferência de Lula para São Paulo.

Os advogados do petista defenderam que Lula seja colocado em uma sala de Estado-Maior em uma unidade militar, além de que a análise do pedido da PF de Curitiba fosse suspensa até o julgamento do pedido de liberdade provisória ao STF. Pedido este que foi julgado e negado no último dia 25 de junho. O MPF também se manifestou contra a transferência, alegando que ela só poderia ocorrer após o fim da instrução criminal em outras ações penais que envolvem Lula, como o caso do sítio em Atibaia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo