A Policia Federal deu um novo parecer sobre o inquérito que investiga supostos repasses da Odebrecht ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e seu pai, César Maia, que já foi prefeito do RJ e agora atua como vereador. A PF concluiu que Maia e seu pai cometeram os crimes de Corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral (caixa dois) e lavagem de dinheiro.

O documento ficou pronto no último dia 22 deste mês e já foi enviado para o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin.

O ministro estabeleceu um prazo de 15 dias para que a procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge ,apresente uma resposta sobre as provas apresentadas pela PF e decida se denunciará Rodrigo Maia ou arquivará o caso.

O presidente da Câmara passou a ser investigado depois que executivos da Odebrecht prestaram depoimentos e apresentaram a PF planilhas que eram usadas no chamado departamento de propinas e nelas aparecem por codinomes Maia e seu pai como destinatários de dinheiro ilícito.

PF conclui que Maia e seu pai praticaram caixa 3

Segundo a PF, no documento consta que a Odebrecht fez doações indevidas para Maia e seu pai em 2008, 2010, 2011 e 2014. O dinheiro foi entregue em espécie, forma qualificada como caixa 2, e doações eleitorais feitas pelo grupo Petrópolis, que era supostamente usado pela Odebrecht para intermediar as doações, essa ação é chamada de caixa 3 pela PF. Os delegados Orlando Cavalcanti Neves Neto, Bernardo Guidali Amaral, os quais enviaram o documento a Fachin, afirmam que Maia e o pai solicitaram doações indevidas de R$ 1,8 milhão entre 2008 e 2010.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Sergio Moro

Em 2008, 2010, 2011 e 2014, o presidente da Câmara e seu pai receberam recursos em espécie. Uma grande parte do dinheiro eles receberam quando nenhum dos dois eram candidatos eleitorais. A PF afirma que o caixa 3 foi praticado entre 2010 e 2014, quando Maia e seu pai apresentaram somente informações formais sobre o recebimento das doações feitas pelo grupo Petrópolis, que segundo a PF foram feitas a mando da Odebrecht.

Nesta mesma época, Maia e seu pai teriam praticado também o crime de lavagem de dinheiro. Segundo a PF, eles teriam tentado esconder e simular a origem do dinheiro que foi recebido de doações eleitorais do grupo Petrópolis, mas que foram emitidos pela Odebrecht. O empresário Walter Faria, dono do Grupo Petrópolis, é suspeito de lavagem de dinheiro.

Os crimes atribuídos pela PF contra Maia foram apresentados poucos dias depois que foi concluída a votação do projeto que endurece punições por abuso de autoridade de agentes públicos, incluindo juízes, promotores e policiais.

O texto do projeto não foi bem aceito por Sergio Moro, magistrados e investigadores, mas já passou pelo Senado e agora resta a decisão do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo