Desde que foi divulgado o áudio onde um suposto chefe do PCC diz que a facção tinha um “diálogo” com o PT (Partido dos Trabalhadores), o caso vem incomodando o partido. A presidente do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PR), informou em seu Twitter que está sentindo que há uma escalada autoritária e que o começo sempre é assim com o uso político das polícias. Diz a parlamentar que o partido vai enfrentar essa “prática” e fazer o embate de todas as maneiras, seja judicial, com a mídia ou politica.

Nesse contexto, o PT vai fazer uma contestação na Justiça das mensagens de áudio divulgadas que estavam com a PF (Polícia Federal), e que foram interceptadas na Operação Cravada. Essa operação desmantelou o núcleo financeiro do PCC (Primeiro Comando da Capital). As investigações levaram aos áudios que mostrariam a ligação entre o PCC e o PT. Assim, em nota a presidente do partido Gleisi Hoffmann diz que a divulgação desses áudios é um claro uso politico das polícias.

As ações, conforme foram divulgadas na nota oficial nessa segunda-feira (12), totalizarão três.

A primeira é abrir um processo contra o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pelo vazamento desse áudio. A segunda frente é entrar contra os veículos de imprensa, que, como notícia, divulgaram o áudio. Em terceiro, entrar com uma ação contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), e também contra a deputada estadual de Santa Catarina, Ana Caroline Campagnolo (PSL).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Jair Bolsonaro

Promotor desmente áudio

O promotor de justiça do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP-SP, Lincoln Gakiya, em entrevista ao portal UOL, relatou que o homem preso captado no áudio é Alexandro Roberto Pereira, apelidado de Elias, e não é da facção criminosa PCC e não há nenhum indício que há algum vínculo de negociata entre o PT e o PCC.

Segundo o áudio que acabou sendo vazado na internet e que foi interceptado pela PF, Elias diz que Sergio Moro já tinha começado a atrasar quando começou a ir “para cima do PT”. No áudio, Elias diz que com o PT havia diálogo –que classificou como “cabuloso”– e que não poderia falar muito pelo telefone o que ele chamou de “caminhada”.

Gakuya, que é um dos principais investigadores da facção no Brasil e também o responsável por pedir transferência dos maiores chefes do PCC para prisões federais, ainda comentou na entrevista ao UOL que Elias não faz parte da cúpula da facção criminosa.

O promotor ressaltou que o criminoso só falou o que a população pensa, que as transferências dos chefões do PCC é obra do governo Bolsonaro e do ministro da Justiça, Sérgio Moro. Segundo ele, são informações distorcidas. Ainda esclarece que a investigação do plano de um resgate e também o pedido de transferência do Marcola foi pedido por ele em nome do Ministério Público e também foi defendido pelo juiz da quinta vara de São Paulo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo