De acordo com o jornalista Gerson Camarotti, colunista do portal G1 e da GloboNews, o pensamento alinhado às ideias do presidente Jair Bolsonaro pesou na indicação de Augusto Aras para o cargo de procurador-geral da República.

Segundo o colunista, Augusto Aras foi "sabatinado" durante conversas reservadas com o presidente Bolsonaro. Camarotti afirma ainda que o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF), amigo de Bolsonaro quando os dois eram deputados da Câmara dos Deputados, foi um grande cabo eleitoral de Aras.

Aras tem um perfil conservador e católico,

Recentemente, Bolsonaro chegou a declarar que procurava alguém que não fosse “xiita ambiental” para ficar no comando da Procuradoria Geral da República (PGR). Assim como a questão ambiental, favoreceu também para indicação as ideias de Aras em relação às medidas tomadas pelo Governo que busca destravar grandes obras de infraestrutura no país.

Após a indicação de Bolsonaro, Aras será sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e seu nome passará por votação no plenário da Casa.

Aprovação de Aras e sabatina no Senado

Segundo a presidente da CCJ, a senadora Simone Tebet, a aprovação de Aras em sabatina será tranquila. Ela afirmou para a jornalista Andréia Sadi, do G1, que ele não terá dificuldades, pois "é ponderado, equilibrado" e "tem trânsito com vários campos para conversar e debater".

O procurador já está em campanha e pretende visitar os gabinetes dos 81 senadores. Caso seja aprovado, Augusto Aras entra no comando da Procuradoria Geral da República (PGR). Ele substituirá Raquel Dodge, que termina o mandato no próximo dia 17.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Resistência

Em relação ao mérito da indicação de Augusto Aras, o líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), questionou o fato de Bolsonaro ter indicado um nome que não estava na lista tríplice apresentada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). O senador Paulo Paim (PT-RS) também esperava que a lista fosse respeitada.

De acordo com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o procurador pode enfrentar dificuldades para assumir a cadeira da PGR.

Para ele, o nome de Aras surgiu em um prazo muito apertado, pois, o mandato de Raquel Dodge termina em 12 dias. Outro entrave para aprovação será porque o Senado quer votar nos próximos dias a reforma da Previdência.

A aprovação pode acontecer após o término do mandato de Raquel Dodge. Até o momento, o presidente do Senado não foi notificado acerca da indicação de Augusto Aras, para poder dar início à tramitação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo